Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

O MAR A BANHAR O INTERIOR

Mangualde vai ter praia com água salgada (945 mil litros)

Este Verão, Mangualde, no distrito de Viseu, vai ter uma praia artificial com água salgada, um areal, bares, concertos internacionais e o homem das bolas de Berlim, num investimento de um milhão de euros.

O contrato celebrado entre a câmara de Mangualde e a organizadora de eventos portuguesa Live it Well, que patenteou este conceito de praia no interior do país, vale para os próximos seis anos.

A ideia é ter a funcionar, entre 15 de Junho e 15 de Setembro, uma praia artificial com 6.500 toneladas de areia e 945 mil litros de água salgada, que terá como fundo uma simulação da linha do horizonte através de uma tela em impressão digital com 65 por cinco metros de altura.

Além da praia, o recinto, com 22.500 metros quadrados, está preparado com uma zona com seis restaurantes e dois bares de apoio, uma zona com um palco preparado para concertos e "até o senhor que vende os gelados e as bolas de berlim", salientam os organizadores.

“Achamos que neste primeiro ano vamos ter um ‘apport’ importante por causa da novidade e a nossa estratégia de crescimento para os próximos cinco anos assenta na oferta de um cartaz musical de qualidade”, revelou o director geral da Live it Well, Rui Braga, salientando que os concertos maiores serão o primeiro e o último, mas no intervalo destes existirão concertos com artistas portugueses variados.

O grande objectivo da organizadora de eventos é internacionalizar o conceito e Rui Braga considera que uma Live Beach até ficava bem em Madrid, por exemplo, embora ainda não existam negociações.

“Não pedimos dinheiro, pedimos que nos disponibilizem um sítio. E, além de criamos postos de trabalho, iremos sempre revitalizar uma área da cidade, um aterro, uma zona onde não há nada”, disse considerando que “o investimento versus retorno é um bom negócio para a cidade”.

Segundo um estudo de impacto económico prévio, estima-se que o evento “possa transportar para Mangualde 13 milhões de euros incluindo o retorno ao nível de imagem e de potenciar o turismo na região”.

A próxima praia do género pode ser no Alentejo.

“Obviamente optámos por uma zona que nos dá mais garantias e para satisfazermos as nossas necessidades orçamentais com consolidação logo no primeiro ano foi-nos mais seguro optar pelo norte do país. Mas acho que vamos construir mais um Live Beach no sul do país”, afirmou Rui Braga.

Para o presidente da Câmara de Mangualde, João Nuno Azevedo, o evento é diferenciador e “coloca Mangualde no centro das atenções do Verão”.

“As pessoas vão ficar surpreendidas pela positiva. É uma oportunidade única em que temos mais uma marca privada a entrar em Mangualde que, além de criar um turismo de lazer e uma oportunidade diferente para as pessoas, vai também criar emprego e, por isso, vai ser um sucesso”, considerou o autarca, salientando que Mangualde recebe milhares de emigrantes no verão e que está localizada a uma hora de caminho de Espanha.

As infra-estruturas são de carácter permanente e a câmara, que cedeu o espaço, ficará com a responsabilidade de garantir meios logísticos como a água, a luz e a segurança exterior.

O bilhete diário de entrada na praia custa cinco euros e quem comprar dois leva um terceiro de graça.

A entrada no recinto é livre a partir das 19h.
 

FONTE: PÚBLICO