Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

SUGESTÃO DE LEITURA

«Ensaio sobre o Imaginário Marítimo dos Portugueses»

Sugerimos-lhe a leitura do eBook “Ensaio sobre o Imaginário Marítimo dos Portugueses”. Da autoria de Júlia Tomás, investigadora integrada do CECS (linha de investigação ‘Linguagem e Interação Social”), é editado pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade. Como se pode ler no prólogo da obra, “a intenção é de conduzir o leitor através do espaço e do tempo numa viagem totalmente inspirada pelo Mar”.

Esta jornada marítima começa nos mares sagrados, elemento primordial para várias civilizações do mundo antigo, ou nos mares criados pelos deuses noutras culturas. A presença dos oceanos (celestes ou terrestres) nas cosmogonias demonstra a importância dos mesmos para o Homem. Na Antiguidade o mar era um elemento ignoto. Suas dimensões, profundidade e movimento eram desconhecidos. Homero descreve este espaço como um lugar sombrio e hostil, tumba dos heróis anónimos e sem glória.

Dá-se especial relevo à mitologia porque o mito é das primeiras manifestações da inteligência humana, interpretando aquilo cujo sentido o Homem não dominava. Por força da sua natureza, bela e inspiradora, a forma mítica está na origem da poesia e da literatura, daí o seu interesse na análise de certas produções artísticas.

para ler aqui