Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Ministro das Infra-estruturas:

«Acesso directo» aos portos fixará a ferrovia como garante da «circulação de grandes fluxos»

O «acesso directo aos portos, aos terminais logísticos» e a «possibilidade de transportar camiões sobre carris nas chamadas ‘auto-estradas rolantes’» serão importantes para estabelecer « a ferrovia como o sistema que assegura a circulação dos grandes fluxos», analisou o Ministro das Infra-estruturas, num artigo de opinião recentemente publicado pela ADFERSIT, no qual o governante analisa a importância do Plano Ferroviário.

«No transporte de mercadorias, o acesso directo aos portos, aos terminais logísticos, bem como a própria possibilidade de transportar camiões sobre carris nas chamadas “autoestradas rolantes”, ajudarão a estabelecer a ferrovia como o sistema que assegura a circulação dos grandes fluxos», frisou Pedro Nuno Santos, lembrando que para ser a resposta que as cargas e as pessoas necessitam, a ferrovia «terá de oferecer mais ligações, melhores tempos de viagem, mais fiabilidade, custos baixos para o utilizador e de estar perfeitamente integrado com os outros modos de transporte».

Tal implica que, nas cidades e nas áreas metropolitanas, a ferrovia terá de estar integrada com as redes locais de autocarro, de metro e de ferrovia ligeira, sem prescindir do acesso directo ao centro. «Nas regiões de baixa densidade, a articulação com serviços de autocarros ou com novos tipos de transporte a pedido, por exemplo, podem aumentar em muito a acessibilidade dos territórios. Além disso, em cidades grandes e pequenas, as soluções de mobilidade suave como as bicicletas partilhadas podem contribuir para tornar o transporte colectivo numa opção muito mais atractiva», vincou.

Em todo este contexto de aposta ferroviária estratégica, o Plano Ferroviário Nacional poderá «dar a perspectiva de longo prazo para a rede ferroviária, mas também, de certa forma, reflectir o tipo de país que queremos ser no futuro. Se queremos ser um país do século XXI, precisamos de uma rede ferroviária do século XXI», explicou o líder da pasta das Infra-estruturas. «Uma rede ferroviária, mais do que um conjunto de infraestruturas onde circulam comboios, é um conjunto de serviços que transportam pessoas e bens de uma estação para outra», rematou.

Assim, salientou Pedro Nuno Santos, o Plano Ferroviário Nacional «não é um plano de infra-estruturas nem um plano de material circulante, ainda que tenha de incluir ambos», mas sim um plano de rede «que irá pensar os serviços que é necessário prestar à população e à economia para, depois, em função disso, determinar as infra-estruturas e o material circulante que é necessário».

fonte