Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Pedro Nuno Santos defende «investimento público massivo» na ferrovia

Até 2050, a União Europeia tem de triplicar o número de passageiros em comboio de alta velocidade e duplicar o tráfego ferroviário de mercadorias. O cumprimento destas metas depende de um "investimento público massivo", entende o ministro português das Infraestruturas e da Habitação. Na abertura do Ano Europeu do Transporte Ferroviário, esta segunda-feira, Pedro Nuno Santos salientou que o mercado é insuficiente para responder às necessidades da sociedade.

"Para mudarmos grande parte do transporte por avião ou pela estrada, precisamos de um investimento público massivo em infraestrutura ferroviária, material circulante e em serviços", referiu Pedro Nuno Santos durante o discurso de abertura, transmitido remotamente a partir de Lisboa.

Segundo o ministro, "apenas o setor público poderá "comprometer-se com os elevados montantes de investimento necessários". Toda a sociedade poderá beneficiar com esta aposta: o comboio permitirá "poupar tempo e custos, aumentar a segurança e preservar o ambiente". O governante recordou que, graças ao envolvimento do Estado, foi possível desenvolver o comboio de alta velocidade.

Reconhecendo os objetivos "muito ambiciosos", Pedro Nuno Santos compara os investimentos necessários até 2050 com as apostas que foram feitas durante o século XIX. Foi nesse período, por exemplo, que Portugal construiu mais de dois mil quilómetros em linhas ferroviárias.

mais detalhes