Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Início das obras de Recuperação e Estabilização do Cordão Dunar entre as Praias da Barra e da Costa Nova

Já se iniciaram as obras de Recuperação e Estabilização do Cordão Dunar entre as Praias da Barra e da Costa Nova.

Com um investimento de cerca de 400 mil euros e um prazo de execução de 4 meses, a empreitada é assegurada pela Agência Portuguesa do Ambiente e pelo Município de Ílhavo, financiada a 75% pelo Fundo Comunitário do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), incluída na candidatura aprovada ao POSEUR: “Ações de Proteção do Litoral na Região Centro - Cortegaça / Vieira de Leiria”. Os restantes 25% são repartidos, de igual forma, pela APAmbiente e pela Câmara Municipal (43.781,49 euros).

A intervenção pretende recuperar e estabilizar o cordão dunar no Município de Ílhavo, entre a Praia da Barra e da Costa Nova, a sul do Porto de Aveiro, numa extensão aproximadamente de 1.236 metros, com a colocação de paliçadas, plantação de espécies autóctones que contribuem para a fixação das areias na duna e com a colocação de passadiços sobrelevados que permitem a circulação de pessoas, entra as duas praias, evitando o impacto sobre o sistema dunar.

Outro objetivo prende-se com a proteção do litoral e das suas populações, especialmente face aos riscos da erosão costeira, sendo a intervenção relevante para a prossecução das políticas consagradas na Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da Zona Costeira e para a necessidade de adaptação do território às alterações climáticas.

mais detalhes