Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

O BALÃO DA HORA

Há um balão que dá horas na Ribeira das Naus - e é a hora legal

Todos os dias, pontualmente, faça chuva ou faça sol, à uma da tarde, ou mais precisamente às 13:00:00, já que é de precisão cronológica que falamos, ouve-se uma sirene na Ribeira das Naus. Não fora o Tejo estar ali mesmo ao lado e não se avistar navio algum, acharíamos que tínhamos ouvido uma sirene de navio. Mas não, a resposta não está no rio, está em terra.

Mesmo junto à Doca Seca, foi instalado em 2018 um memorial ao Balão da Hora ou Balão do Arsenal, um engenho do Observatório Astronómico da Marinha que, entre 9 de Novembro de 1858 e 31 de Dezembro de 1915, diariamente emitia um sinal horário a marcar a hora legal, o que permitia não só que os lisboetas acertassem os seus relógios, mas, sobretudo, que os navios da marinha de guerra e mercante ancorados no Tejo aferissem com precisão os seus cronómetros antes de partirem.

E poderá saber-se o porquê desta obsessão com a pontualidade?, perguntará o leitor menos versado em lides náuticas e já esquecido de que nem sempre existiram satélites e GPS. Pois, só com um relógio acertado pela hora legal é possível determinar com precisão a longitude e assim traçar e manter um rumo em alto mar, onde não existem referências de terra.

Era esta a função do Balão da Hora, num ritual que se cumpria todos os dias. Tal como os seus dois antecessores, este novo aparelho é constituído por uma torre onde se encontra um globo que começa a subir até meia haste 15 minutos antes das 13 horas, acompanhado de um curto toque de sirene. Cinco minutos antes da hora, novo toque a avisar que o momento se aproxima, enquanto o balão ascende ao topo. Às 13 horas em ponto, acompanhado de um derradeiro toque, o balão deveria despenhar-se até ao ponto de partida. Deveria... mas manteve-se lá no topo. Inquirimos um marinheiro que passava. "Devia, devia... mas está inop", esclareceu ele.

Fazemos votos de uma rápida recuperação do Balão da Hora. Gostaríamos de voltar a ver todo o ritual, mas com o seu desfecho catártico.

fonte