Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

CREOULA

Municípios querem recuperar o navio que deu “mais de 20 voltas ao mundo”

Um conjunto de instituições, entre elas a Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) e as câmaras de Ílhavo e de Aveiro, está a tentar encontrar uma solução para levar por diante a recuperação do antigo lugre bacalhoeiro Creoula – se o projecto avançar, a embarcação passará algumas temporadas ancorada no Porto de Aveiro, aberta a visitas.

Actualmente, e desde há cerca de um ano, decorrem negociações que poderão resultar num protocolo envolvendo vários parceiros: o Ministério da Defesa (que é o proprietário da embarcação); a Marinha Portuguesa (a quem está concessionada como navio de treino de mar); os municípios de Aveiro, Ílhavo e Lisboa e a CIRA. O processo encontra-se ainda numa fase muito embrionária, mas o objectivo é conseguir a reabilitação do navio, o que poderá implicar um investimento entre os sete e os oito milhões de euros. A ideia de base é que o Ministério da Defesa assuma metade desse montante, sendo os restantes distribuídos pelas outras entidades, ainda sem uma definição clara de valores e repartição dos custos.

para ler na íntegra aqui