Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Grupo de trabalho estuda soluções para avarias na ponte móvel de Leixões

Na sequência das avarias ocorridas na Ponte Móvel de Leixões e da repercussão pública que esta circunstância tem vindo a causar, a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) dá nota pública do rigoroso cumprimento dos contratos de manutenção com empresas da especialidade e da realização de vistorias semanais ao funcionamento da ponte móvel.

Foi à data explicado que as avarias que a Ponte Móvel de Leixões sofreu, em 2013, 2018, 2019 e no decurso deste ano de 2020, não estão associadas a questões de manutenção, mas sim à “gripagem” prematura das rótulas e cilindros de movimentação dos tabuleiros, os quais teriam um período de vida útil expectável superior a 40 anos, tendo em consideração os ciclos de abertura diária considerados em fase de projeto que se mantêm inalterados.

No mesmo comunicado, a APDL informou que o INEGI (Instituto da Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial) estava a realizar a monitorização e modelação tridimensional dos órgãos mecânicos da ponte móvel para tentar identificar, por outra via, para além dos estudos já efetuados, a origem e a causa deste desgaste prematuro de peças cuja vida útil deveria estar muito longe do fim e, deste modo, serem insuscetíveis de avarias.

Na sequência de todos os eventos acima elencados, a APDL promoveu a criação de um Grupo de Trabalho com as entidades que estiveram envolvidas na construção da ponte, designadamente a Mota Engil, responsável pela empreitada, a Schaeffler que levou a cabo a produção dos seus componentes, a Eurocrane, que tem vindo a fazer a manutenção daqueles componentes nas suas vertentes preventivas e corretivas e, finalmente, a Hansa-flex, que tem a seu cargo a manutenção do sistema de acionamento daquela infraestrutura. Esta iniciativa será coordenada por uma entidade independente, o INEGI, para que, de forma definitiva, se venham a encontrar soluções que evitem as avarias já mencionadas.

O Grupo de Trabalho agora criado permitirá, em virtude da sua multidisciplinaridade, uma abordagem integrada do funcionamento da ponte móvel com os seguintes objetivos:

• Diagnóstico da causa das avarias prematuras que têm vindo a ocorrer através da instrumentação e modelação provisória com simulações em computador que permitirão monitorizar as estruturas de suporte da ponte e identificar as suas eventuais fragilidades ou deficiências;
• Com base no diagnóstico realizado, por um lado, levar a cabo eventuais reparações que se revelem necessárias e, por outro lado, implementar um sistema que permita antecipar a substituição de componentes através de alertas e, nessa medida, uma manutenção planeada sem o prejuízo que resulta da imprevisibilidade e das ações corretivas em situações de emergência.

Este processo tem a sua durabilidade prevista até abril de 2021 para que efetivamente produza os resultados que a APDL ambiciona, sendo que, em função das suas conclusões, a APDL tomará todas as medidas necessárias para que esta infraestrutura sob a sua responsabilidade deixe de causar constrangimentos aos seus utilizadores.

A evolução do trabalho desenvolvido e os resultados obtidos serão, ao longo do tempo, disponibilizados à população para que, de forma transparente, possam acompanhar este processo que a todos diz respeito.

A APDL agradece a compreensão e espera num futuro breve resolver os problemas associados ao funcionamento da Ponte Móvel de Leixões.