Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Interdição aos navios de cruzeiro prolongada até dia 14

O desembarque de passageiros nos portos nacionais e as licenças para terra de passageiros e tripulações de navios de cruzeiro vão continuar proibidos até às 23.59 horas de 14 de novembro, segundo um despacho do Governo.

Esta interdição, que se deve à pandemia de covid-19, está em vigor desde 14 de maio e tem sido sucessivamente prorrogada pelo Governo.

"A interdição acima referida, bem como as posteriores prorrogações", justificam-se "como medidas de contenção das possíveis linhas de contágio, de modo a controlar a disseminação do vírus SARS-CoV-2 e da doença Covid-19, sendo que a situação epidemiológica, quer em Portugal, quer noutros países, permanece por controlar", lê-se no despacho.

Os ministros da Defesa, da Administração Interna, da Saúde e das Infraestruturas assinam o despacho, datado de 30 de outubro, e publicado no sábado à noite no "Diário da República".

"A experiência internacional demonstra o elevado risco decorrente do desembarque de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro", lê-se ainda no despacho.

fonte