Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

EISAP ENFATIZA:

«Quanto mais tonelagem tivermos registada mais peso político teremos»

A argumentação é simples e directa: a tonelagem faz toda a diferença no peso político que uma bandeira e um país podem ter junto das instituições internacionais. Na visão da EISAP (European International Shipowners Association of Portugal), a bandeira nacional deve esforçar-se por ser dinâmica e competitiva, para assim captar mais tonelagem para o registo de navios – assim, Portugal só terá a ganhar no teatro político.

«Relembre-se que quanto mais tonelagem tivermos registada com a bandeira Portuguesa mais peso político teremos junto das entidades que definem toda a estratégia marítima mundial, nomeadamente da International Maritime Organisation (IMO)», declarou a associação de armadores, na sequência do sinal dado pelo Parlamento Nacional com vista ao reforço da Bandeira Portuguesa no panorama internacional.

Recorde-se que a EISAP saudou a aprovação pela Assembleia da República (no dia 10 de Julho), das alterações propostas pelo PS e pelo PSD ao Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março, que criou o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR), caracterizando o desenvolvimento como «um sinal dado pelo país quanto à absoluta urgência de fazer uma revisão ao referido instrumento legislativo que desde há muito a EISAP ansiava».

Segundo enfatizou a EISAP, «as alterações agora aprovadas são de extrema importância uma vez que vão permitir melhoramentos significativos no funcionamento do MAR». A associação constatou que foi dado o «primeiro passo» na exigida dinamização competitiva do registo, tendo havido «vontade política» para «aprovar a base regulamentar que permitirá à bandeira Nacional avançar para um novo patamar de qualidade e relevância a nível Europeu e global, permitindo-lhe assim ombrear com outras bandeiras Europeias (como a Grega, a Croata, a Dinamarquesa ou Cipriota)».

Recorde-se que Portugal voltou a escalar o ranking da White List (lista branca), organizado pelo Paris MoU on Port State Control, que avalia, num «espectro global», o desempenho qualitativo das bandeiras nacionais. Entre as 41 bandeiras classificadas na lista, o registo português surge agora na vigésima sexta posição (26ª), tendo assim subido um lugar face à colocação anterior. A trajectória lusa é de ascensão gradual.

fonte