Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Um século depois, o apito do «herói do Titanic» é exibido pela primeira vez

Em abril de 1912, o RMS Titanic afundou no Oceano Atlântico com mais de 1.500 passageiros a bordo. Uma coleção inestimável de objetos pertencentes a um oficial heróico que sobreviveu ao naufrágio vai agora a leilão.

De acordo com a Fox News, os objetos pertenciam a Harold Lowe. Conhecido como um dos heróis do trágico incidente, Lowe não só serviu como o denunciante do desastre marítimo, como também comandou o 14.º barco salva-vidas e resgatou sobreviventes das águas geladas.

Depois de levar os passageiros no seu barco salva-vidas e deixá-los em segurança, Lowe foi o único oficial a voltar aos destroços para tirar mais sobreviventes da água.

Lowe, nascido no norte do País de Gales, tinha 29 anos na época e permaneceu um marinheiro após o incidente. Morreu em 1944 aos 61 anos. Esta será a primeira vez que um dos seus objetos é leiloado.

“Harold Lowe foi, sem dúvida, um dos heróis do desastre do Titanic“, disse o leiloeiro Andrew Aldridge, da casa de leilões britânica Henry Aldridge & Son.

Nenhum outro oficial se atreveu a voltar para os destroços, uma vez que temiam que os sobreviventes desesperados e congelantes dominassem os barcos. A bravura única de Lowe é comemorada desde então, impregnando mesmo no seu apito um profundo significado.

O apito, com a gravação “Tenente H.G. Lowe RNR” (Reserva Naval Real), é listado com uma estimativa de pré-venda de 2.526 a 3.788 dólares. A vasta lista de objetos do leilão também inclui uma fotografia assinada dos oficiais do Titanic a bordo do navio de resgate Carpathia, os 13 oficiais que sobreviveram ao desastre, e um telescópio.

A imagem é assinada pelos 13 homens e pelo capitão dos Carpathia, Arthur Rostron. Atualmente, tem uma estimativa de pré-venda de 7.578 a 12.628 dólares – um aumento notável se comparado com o preço do apito de Lowe.

O arquivo também inclui um telescópio dado a Lowe por uma das sobreviventes, que foi inscrito com “Para Harold G. Lowe … O verdadeiro herói do Titanic”. Foi entregue a Lowe por uma mulher que Lowe resgatou do mar naquela noite.

Além disso, uma aguarela que Lowe pintou do Titanic e o seu certificado de competência como mestre do navio devem obter somas substanciais.

“Estes objetos nunca foram vistos nem leiloados antes”, disse Aldridge. “Harold é venerado pela comunidade do Titanic como o oficial que voltou [aos destroços]”.

Considerado o navio mais luxuoso e seguro do mundo, o Titanic naufragou com mais de 1.500 pessoas a bordo na madrugada de 15 de abril de 1912, depois de colidir com um icebergue. A embarcação fazia a sua viagem inaugural, depois de partir de Southampton, em Inglaterra, com destino a Nova Iorque, nos Estados Unidos.

O RMS Titanic está submerso há mais de 100 anos, a cerca de 600 quilómetros da costa de Newfoundland, no Canadá.

ZAP