Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Navio oceanográfico regressa após oito meses de período de manutenção

O navio hidro-oceanográfico D. Carlos I retoma a atividade operacional com um treino assistido, até 22 de maio ao largo de Sesimbra. O regresso acontece após um período de 8 meses no qual o navio esteve em manutenção e reparação.

O regresso à atividade operacional inicia-se com um treino assistido, apoiado pela Equipa de Avaliação do Centro Integrado de Treino e Avaliação Naval (EACITAN).

O treino assistido tem como finalidade apoiar e aperfeiçoar os níveis de prontidão da guarnição para garantir que a segurança do pessoal e do material.

O treino incide nas áreas de limitação de avarias e da condução da navegação: homem ao mar, incêndio, alagamento, falha da instalação propulsora, avaria no leme, navegação em condições de visibilidade reduzida, entre outras. Está previsto o navio praticar o porto de Setúbal nos dias 19 e 20 de maio de 2020.

O NRP D. Carlos I é comandado pelo capitão-tenente Teotónio Barroqueiro e tem uma guarnição de 34 militares.