Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

O NAVIO-ESCOLA SAGRES ESTÁ DE REGRESSO A LISBOA

A tristeza e o alívio de voltar a casa

O navio-escola Sagres regressaria da volta ao mundo em janeiro de 2021, mas a pandemia trocou as voltas aos 142 marinheiros, que hoje voltaram a casa entre o alívio por estarem bem e a tristeza pela missão em pausa.

“Estamos a viver um momento histórico, irrepetível e singular porque estamos a celebrar o passado, a afirmar o presente e a construir o futuro”.

As palavras são do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, mas não são de hoje, mas de 05 de janeiro, quando o navio-escola Sagres zarpou do Terminal de Cruzeiros de Santa Apolónia, em Lisboa, rumo à volta ao mundo que deveria ter durado mais de um ano, no âmbito das comemorações do V Centenário da Circum-Navegação do navegador português Fernão de Magalhães.

A pandemia de covid-19 também mudou a rota do Sagres que, em 24 de março, recebeu ordens para suspender viagem e voltar a Portugal, um regresso a terra firme que aconteceu hoje, na Base Naval de Lisboa, em Almada.

“Tenho aqui três sentimentos simultâneos. Um é de alívio por regressarmos bem. Há um segundo de tristeza porque efetivamente saímos dia 05 de janeiro para uma viagem de circum-navegação que infelizmente não se pode concretizar e um sentimento de esperança de que as coisas rapidamente voltem àquilo que é normal e, num futuro mais ou menos próximo, podermos voltar a ter a Sagres a navegar”, confidenciou aos jornalistas o comandante do navio, Maurício Camilo.

Sem necessidade de fazer testes à covid-19 porque já fizeram “o melhor teste de todos” que foi estarem “69 dias sem sair do navio e sem contacto com nada” – a última vez que tinham saído do Sagres foi em 02 de março, em Buenos Aires -, os elementos da guarnição seguiram hoje, um de cada vez, para as suas casas, apesar de, por motivos de segurança devido à pandemia, não ter sido possível terem as famílias, todas juntas, à espera em terra, tal como aconteceu na partida.

Mas neste regresso, nas palavras do ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, “inesperado, inopinado e diferente” do que foi imaginado, há um especial, o do primeiro marinheiro Sérgio Chambel, cujo filho João Maria nasceu, em 06 de abril, enquanto a Sagres estava em águas da África do Sul.

Por culpa da covid-19 e com os aeroportos fechados, Sérgio não conseguiu voar para Lisboa, como estava previsto, para assistir ao nascimento do segundo filho e foi a “família naval” que o apoiou “nos momentos mais difíceis”.

“Ela foi uma supermulher, conseguiu tomar conta da outra filha, a Maria Carminho e do João Maria”, disse Sérgio, visivelmente ansioso, aos jornalistas, a propósito da mulher Lia Duarte.

Graças às tecnologias e às redes sociais, o marinheiro conseguiu “matar um bocadinho da saudade e ver o João Maria”, que hoje espera abraçar pela primeira vez, tendo a notícia do nascimento do bebé sido motivo de festa a bordo.

Uma das quatro mulheres da guarnição é Diana Azevedo, primeiro-tenente e navegadora, que admitiu aos jornalistas ver este regresso com “um sentimento agridoce”.

“Por um lado, estamos a regressar a casa e temos alguma preocupação com as famílias, mas por outro lado gostaríamos todos de continuar e foi para isso que saímos, em janeiro, foi para um ano de aventuras que tiveram que ficar pelos quatro meses”, afirmou.

Apesar da esperança inicial de que a situação se resolvesse, Diana assumiu que, conforme o tempo foi avançado, a guarnição percebeu que “não existiriam condições para continuar”.

“A vossa viagem de circum-navegação, emblemática e única, não deixará de se realizar. Vivemos ainda tempos de incerteza em Portugal e em todo o mundo. Não sabemos quando poderemos retomar os nossos planos, mas sabemos que isso acontecerá”, garantiu o ministro da Defesa.

Resta agora saber quando será possível que o Sagres volte a navegar.

LUSA