Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

900 KMS ESCRUTINADOS PELA CAMPANHA DE OCEANOGRAFIA GEOLÓGICA M162

Investigação da Falha GLORIA, no Nordeste Atlântico

Decorreu de 5 de março a 5 de abril a campanha de oceanografia geológica M162 a bordo do navio oceanográfico alemão "Meteor". O objetivo deste projeto é “explorar a desidratação mineral e os fluxos de fluidos subterrâneos ao longo da Falha GLORIA, que constitui o limite de placas litosféricas entre a África e a Eurásia”.

As grandes fraturas na litosfera (a zona rígida externa da Terra onde vivemos) podem gerar grandes sismos e tsunamis. Para nos prepararmos para estas grandes catástrofes é necessário conhecer os objectos geradores e monitorizá-los. Um pouco à semelhança do que se passa com a epidemia COVID-19 que agora vivemos: todos os dias queremos saber a sua evolução para sabermos como atuar. Como escreveu Robertson Davies, “o olho apenas vê o que a mente está preparada para compreender” (Davies, 1951).

Os fluidos (água quente e magma) transportam matéria e calor no interior da Terra, podendo assim causar aquecimento ou arrefecimento e facilitar reacções químicas, transformando assim as rochas pré-existentes. A transformação das rochas implica a mudança do seu comportamento e, por isso, o modo como reagem às forças que as afetam (figura 1). Compreendendo, mapeando estas alterações poder-se-á monitorizar as falhas sismogénicas e tsunamigénicas de modo a poder mitigar-se a sismicidade maior.

A Falha GLORIA tem 900 km e é uma das três partes da conhecida Zona de Fratura Açores-Gibraltar (ZFAG) que é o limite entre as placas litosféricas, África e Eurásia, no Oceano Atlântico. As outras duas são o rifte da Terceira nos Açores com ~600 km e a Falha SWIM no sudoeste da Península Ibérica com ~700 km.

mais detalhes