Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MADEIRA

Cais da Ponta do Sol requalificado e reabilitado

O Cais da Ponta do Sol reabriu ao público, após a empreitada de reabilitação e requalificação que coloca esta infraestrutura portuária oitocentista como um exemplo e uma referência no domínio deste tipo de trabalhos de recuperação de um património que valoriza e dignifica toda a região.

A obra, que representou um investimento de mais de 700 mil euros da Vice Presidência do Governo Regional, com comparticipação comunitária de 85%, foi liderada pela APRAM e passou pelo diálogo entre várias instituições, nomeadamente a Direção Regional de Cultura e a própria Câmara Municipal da Ponta do Sol, no sentido de se preservar e respeitar um cais projetado pelo engenheiro Tibério August Blanc e construído entre 1848 e 1850, junto à casa da guarda e da antiga prisão escavada na rocha..

O Vice-Presidente do Governo Regional, Pedro Calado, que visitou o local no início das obras, considera que se "correspondeu aos desejos da população local, reabilitando e devolvendo a segurança daquela infraestrutura portuária, preservando o património existente e promovendo e rentabilizando um ponto turístico, que pretende cativar os visitantes."

Além disso, o governante lembra que este cais do século XIX mantem a planta original do projeto e "é há muito, um ponto de referência do concelho. Todas as intervenções de recuperação e consolidação deste património regional tiveram sempre em atenção a preservação e reutilização dos materiais originais."

“De salientar, justamente, o trabalho minucioso efetuado pelos calceteiros, que repuseram a calçada madeirense de pequenos calhaus rolantes e o trabalho a nível arquitetónico que assegurou a configuração, textura e cor originais”, realçou o vice-presidente.

Dividida em dois lotes, a empreitada de recuperação e reabilitação teve em conta a manutenção da falésia, com a reabilitação da proteção de taludes. Depois, foram feitos os calcetamentos, a remoção e colocação de novos capeamentos nos muros, em cantaria regional, execução de pavimentos em calçada madeirense e a reabilitação dos pavimentos em betão, reparação das escadas em cantaria, execução de revestimentos e pintura dos mesmos e colocação de guardas metálicas e iluminação pública.

Até finais do século XIX, foi o porto secundário mais importante da Madeira, com um movimento médio anual de cerca de 8 mil toneladas de produtos da terra e granéis alimentícios, importados do Funchal para a população local.

Em 1947, movimentou cerca de 26 mil passageiros, numa altura, em que a ausência de estradas em terra, fazia com que se optasse pelas estradas marítimas que ligavam os diferentes locais da Região.

Além de ter servido para o embarque e desembarque de pessoas e bens, o Cais da Ponta do Sol funcionou também como troço do caminho real de ligação ao Lugar de Baixo, aberto posteriormente na rocha.