Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Nova lota de Tavira vai ser construída nas Quatro Águas

A nova lota de Tavira vai ser construída nas Quatro Águas e as obras deverão começar em 2020, revelou ao Sul Informação a Docapesca – Portos e Lotas.

A empresa de capitais públicos tinha iniciado, em Outubro de 2018, uma obra de reabilitação da antiga lota de Tavira, que se situava junto ao Mercado da Ribeira e do Porto de Pesca, mas decidiu não avançar com a construção de um novo edifício nesse local, apesar do que estava previsto.

«A primeira fase da empreitada correspondia à demolição do edifício existente e criação das fundações para a reconstrução do edifício. Após a demolição, verificou-se que o solo não reunia as condições necessárias à construção imediata das fundações, tendo-se procedido à realização de sondagens para ajuste ao projeto inicial», revelou a Docapesca, em resposta a questões colocadas pelo nosso jornal.

Segundo revelou ao Sul Informação fonte camarária, verificou-se que seria necessário colocar duas estruturas para estabilização do terreno que «custavam, cada qual, 200 mil euros». Isto quando a obra original, no seu todo, estava orçada em cerca de 400 mil euros.

MAIS DETALHES