Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Investigadores descobrem plástico incrustado nas rochas

Será um novo tipo de poluição marinha? Tons de azul e cinzento nas rochas chamaram à atenção dos investigadores do MARE, Centro de Ciências do Ambiente e do Mar, do polo da Madeira. A equipa, liderada por Ignacio Gestoso, descobriu, primeira vez, numa zona do intertidal rochoso na costa sul da ilha da Madeira, lixo marinho incrustado nas rochas. E concluíram que a ocorrência destas crostas de plástico (que os autores denominam de “Plasticrusts”) aumentou bastante desde 2016, ano em que a equipa detectou o fenómeno.

Apesar da confirmação de que se trata de polietileno (PE), um tipo de plástico utilizado na indústria, especialmente nas embalagens de plástico para produtos alimentares, a origem concreta e o mecanismo de formação de tais crostas ainda não são conclusivas. No entanto, os investigadores deduzem que pode resultar da colisão de fragmentos de plástico de maior dimensão por acção das ondas e marés.

Podendo estas crostas ter implicações em estratégias de gestão ambiental, uma vez que estas “Plasticrusts” poderão vir a ser consideradas uma nova categoria de lixo marinho, o investigador afirma que os estudos têm de prosseguir para tal se poder afirmar. E a equipa pretende continuar o estudo, no entanto, necessita de financiamento para o fazer. Até porque a equipa almeja ir mais longe e perceber se esta poderá ser também uma realidade no continente, nos Açores, ou mesmo nas Ilhas Canárias, pode ler-se no comunicado do MARE.

fonte