Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Unidades de Investigação de áreas marinhas classificadas, quase todas, com «Excelente»

Já são conhecidos os resultados da Avaliação e Financiamento Plurianual de Unidades de I&D para o período 2020-2023: do Centro de Ciências do Mar do Algarve (CCMAR), o Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE), o Centro I&D OKeanos – Universidade dos Acores (Okeanos-UAc), o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) e o Centro de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA UALG) apenas este último recebeu classificação de “Muito bom”, os restantes receberam “Excelente”.

Os resultados, provisórios pois poderão ser contestados até 31 de Julho, são a base para os financiamentos que as demais unidades de investigação irão receber. Pelo que este processo, iniciado pela Fundação para Ciência e a Tecnologia (FCT) em 2017, reveste-se de bastante importância para a prossecução dos trabalhos desenvolvidos pelos centros.

A avaliação, baseada em critérios como mérito, qualidade, relevância e nível da internacionalização da actividade científica realizada, assim como mérito científico da equipa de investigadores e a adequação de objectivos, estratégia, plano de actividades e organização, realiza-se tendo em conta o período anterior de cinco anos.

E na mesma, levada a cabo por cinco avaliadores (Beatriz Morales-Nin, Erlend Moksness, Fiona Tomas Nash, Ionan Marigomez e Javier Ruiz), pode concluir-se que a contratação de pessoal e investigadores, obtenção de mais material de trabalho e uma maior colaboração entre os membros, desenvolvendo o potencial sinergético, são solução.

O relatório da avaliação destaca aspectos positivos e negativos das unidades de I&D. Em muitas unidades a maioria dos investigadores doutorados realizou actividades inovadoras, de reconhecido mérito e qualidade internacional, sendo apreciado o entusiasmo e dedicação dos investigadores, em particular entre os estudantes de doutoramento e jovens pós-doutorados. No entanto, os investigadores/docentes em instituições de ensino superior têm cargas lectivas excessivas (9 horas ou até 12 horas semanais de aulas) que, no entender dos avaliadores, dificulta a actividade de produção científica mais eficiente.

Os projecto possuem interessantes grupos de investigação, relevantes para a sociedade, e com um nível simpático de transferência de conhecimento, tanto a nível nacional, como internacional, atraindo estudantes estrangeiros e contribuindo para o desenvolvimento não só de Portugal, como de outros países.

Na sequência da avaliação, apenas serão financiados os laboratórios que tiveram a classificação de “Bom”, “Muito Bom” e “Excelente”, que são 88% do universo avaliado no seu todo. Assim, são quase 300 os laboratórios de investigação científica que receberão um total de cerca de 400 milhões de euros entre 2020 e 2023, ao abrigo do financiamento plurianual proposto pela FCT.

fonte