Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

O derrame de petróleo mais longo da história pode ser mil vezes pior do que se imaginava

Segundo um novo estudo, são derramados ao largo do estado norte-americano do Lousiana entre 1500 a 17 mil litros de petróleo por dia.

Em 2004, uma plataforma de petróleo da companhia Taylor Energy ficou danificada quando o furacão Ivan atingiu o Golfo do México. Contas levadas a cabo por cientistas da Administração Oceânica e Atmosférica norte-americana e da Universidade da Florida, nos EUA, elevam entre 100 a 1000 vezes da dimensão estimativa oficial da companhia.

Na altura do desastre, a empresa afirmava que estavam a chegar ao oceano menos de 11 litros de petróleo por dia. Agora, acredita-se que, desde então, estão a ser derramados diariamente entre 1500 a 17 mil litros de petróleo.

Quando o furacão Ivan atingiu o Golfo do México, a plataforma de petróleo foi atingida por uma derrocada e vários barris e poços afundaram-se e ficaram parcialmente enterrados sob a lama e sedimentos no fundo do mar.

Para conter a fuga, a companhia tentou tapar os poços e instalou redomas de contenção em 2008. Nesse mesmo ano, conta a Visão, cessou toda a atividade de exploração petrolífera, passando a existir exclusivamente para responder às consequências do acidente.

Em maio deste ano, a Guarda Costeira norte-americana instalou no local um sistema de contenção que tem estado a recolher cerca de 3.8 mil litros por dia.

O novo estudo contradiz a versão da Taylor Energy sobre outro aspeto: a origem da fuga. A empresa insiste que todo o petróleo encontrado, 15 anos depois, vem dos sedimentos e da decomposição bacteriana do petróleo, mas os cientistas envolvidos na recente investigação garantem ter dados que mostram que as fugas têm origem nos reservatórios e nos oleodutos e não no petróleo que ficou no fundo do mar.

Segundo a CNN, para chegar a esta conclusão, os investigadores usaram dois métodos distintos. Primeiro, um aparelho acústico, que situou a quantidade derramada por dia nos 9 a 47 barris, ou cerca de 1,5 a 7 mil litros. Depois, um outro dispositivo que fez uma estimativa de 19 a 108 barris diários, ou 3 mil a 17 mil litros.

Ainda assim, o relatório sublinha que, nestes intervalos, não está necessariamente o valor definitivo. Apesar disso, todas as estimativas são mais altas do que os valores divulgados pela Taylor Energy.

fonte