Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Conselho de Administração da APFF visita o NRP Figueira da Foz

O Conselho de Administração da APFF visitou o NRP Figueira da Foz, aquando da presença do navio-patrulha oceânico na cidade, permanência inserida nas comemorações do Dia da Marinha.

Depois de visita demorada ao navio, Fátima Lopes Alves (Presidente) e Nuno Marques Pereira (Vogal), procederam à tradicional troca de crestas com o Comandante do navio, Capitão-Tenente Pedro Luis Fernandes da Palma.
A delegação da APFF integrava ainda o Cte. Joaquim Sotto Mayor.

O Navio Patrulha Oceânico Figueira da Foz foi construído nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, tendo sido aumentado ao efectivo dos navios da Armada a 25 de Novembro de 2013. Com deslocamento de 1850t e guarnição de 44 elementos, foi concebido como navio não-combatente e destina-se prioritariamente a exercer funções de autoridade do Estado e a realizar tarefas de interesse público nas áreas de jurisdição ou responsabilidade nacional.

Trata-se de navio particularmente vocacionado para actuar na zona económica exclusiva nacional, tendo também capacidade para cooperar em operações militares de baixa intensidade, prestar apoio humanitário, efectuar lançamento de minas e transporte de forças militares de pequenas dimensões, entre outras.