Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Nórdicos formalizam primeiro apelo para Tratado internacional contra plásticos no oceano

Os ministros do ambiente da Dinamarca, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia, reunidos no âmbito do Conselho Nórdico, em Reiquejavique, na Islândia, formalizaram o primeiro apelo para a concretização de um Tratado internacional que promova a remoção do plástico dos oceanos à escala global.

Na declaração conjunta, que foi enviada à União Europeia, G7, G20 e Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), os ministros também apelam ao Conselho Nórdico para que prepare um estudo sobre que elementos devem ser incluídos num acordo global contra os microplásticos e os resíduos plásticos no ambiente marinho.

O estudo proposto será submetido a um grupo de peritos antes da próxima reunião do Conselho Nórdico, no final deste ano, e poderá reforçar a posição da UE na próxima Assembleia Geral das Nações Unidas para o Ambiente, em 2021.

Os mesmos responsáveis apelaram igualmente a uma acção relativa à biodiversidade, argumentando que os países nórdicos devem partilhar as suas experiências relativamente à harmonização de legislação, práticas administrativas e políticas em prol dos objectivos definidos para a biodiversidade e o ambiente.

fonte