Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

LEIXÕES

Criado grupo de trabalho para analisar alargamento do paredão

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, garantiu dia 12 que vai ser criado um grupo de trabalho para acompanhar os impactos da obra de prolongamento do quebra-mar do Porto de Leixões.

A comissão irá contar com a participação das Câmaras do Porto e de Matosinhos, assim como com o contributo da Administração dos Porto do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), com o intuito de "identificar soluções para eventuais problemas" decorrentes da construção.

"Este grupo não vai só fazer o acompanhamento da obra, mas discutir questões que têm de ser reavaliadas e analisadas com maior profundidade", explicou a ministra, após uma reunião que juntou os executivos das câmaras, a APDL, a Agência Portuguesa do Ambiente, a Comunidade Portuária e o provedor do cliente de Leixões.

Afirmando que todos compreendem a importância da obra para o porto, Ana Paula Vitorino revelou que, durante a reunião, entre outras coisas, foram analisados os impactos na qualidade do ar e da água, nas praias, na atividade portuária, no surf e na restauração.

Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, defendeu que devem ser "mitigados todos os impactos desde a primeira hora, analisando também aspetos do projeto que podem ser reavaliados". Já a Câmara de Matosinhos aprovou, em reunião, um encontro extraordinário do Executivo para debater os impactos dos mais 300 metros de paredão.

fonte