Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Parlamento aprova proposta para segurança de navios que cruzam áreas de pirataria

O parlamento aprovou a proposta de lei que autoriza o Governo a criar o regime jurídico da atividade de segurança privada armada a bordo de navios de bandeira portuguesa que atravessem áreas de alto risco de pirataria.

O diploma teve as abstenções do PCP, PSD e CDS/PP, e os votos favoráveis do PS, BE, PAN e do deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira, baixando agora à comissão.

Em causa está a criação do quadro legal que permite que os navios registados em Portugal possam passar a contratar empresas de segurança privadas para a prestação de serviços de segurança sempre que atravessem zonas de elevado risco de pirataria, solução que, segundo precisou a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, permitirá reforçar a competitividade do setor marítimo nacional.

O diploma estabelece os requisitos que têm de ser observados para que uma empresa possa ser contratada, bem como as regras a seguir pelas equipas de segurança a bordo, impondo, nomeadamente que se trate de cidadãos portugueses, de um Estado-Membro da União Europeia ou de país com o qual exista acordo de reciprocidade.

A tipologia de armas que podem ser levadas a bordo por estas empresas consta também da proposta de lei que avança agora para a fase de discussão em comissão, na qual se juntarão propostas de alteração de vários partidos.

As armas contempladas foram uma das áreas que mereceram críticas hoje, durante o debate, com deputado do PCP António Filipe a manifestar "grandes reservas" pelo facto de estar prevista a utilização de armas específicas das Forças Armadas.

Na apresentação do diploma, Ana Paula Vitorino sublinhou que a proposta do Governo segue as melhores práticas internacionais e constitui um passo no reforço da competitividade do transporte marítimo.

O diploma elenca ainda os vários passos e prazos que têm de ser observados para que a contratação da empresa possa concretizar-se e faz depender a utilização de segurança privada a bordo da aprovação do plano contra pirataria pela Direção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, após parecer vinculativo da Direção Nacional da PSP e da Autoridade Marítima Nacional.

Quando se trate de rotas, que sejam idênticas e regulares, pode ser aprovado um plano contra pirataria para o conjunto de viagens que se repitam num intervalo não superior a um ano.

fonte