Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Estudo revela que águas europeias são chave para regularização do clima

Ao longo de 21 meses, de Agosto de 2014 a Abril de 2016, investigadores de 16 instituições de pesquisa de sete países recolheram dados no Atlântico Norte para analisar o oceano. E este estudo, que faz parte de um projecto de pesquisa OSNAP (Overturning in the Subpolar North Atlantic Program) com um investimento de cerca de 21 milhões de euros sobre as correntes profundas, foi revelado no início deste mês.

Segundo as conclusões do estudo, publicadas na revista Science, as águas europeias impulsionam a reviravolta do oceano, chave para a regularização do clima, e essa circulação meridional do Atlântico, que ajuda a regular o ambiente da Terra, é altamente variável e impulsionada principalmente pela conversão de águas da superfície e quentes em águas mais frias e profundas.

O conhecimento deste fenómeno pode não só ajudar investigadores a prever melhor o degelo do Árctico, como futuras mudanças na capacidade de o oceano mitigar as mudanças climáticas, armazenando o excesso de carbono na atmosfera.

Note-se que a maior parte da reviravolta e variabilidade ocorre não no Mar de Labrador, no Canadá, como se pensava, mas em regiões entre a Gronelândia e a Escócia. As águas mornas, salgadas e superficiais levadas para o norte dos trópicos pelas correntes e pelo vento, afundam-se e convertem-se em águas mais frias e profundas, movendo-se para o sul através das bacias Irminger e Iceland.

Ao longo do estudo, a variação invertida nesta parte leste do oceano foi sete vezes maior do que no Mar de Labrador e foi responsável por 88% da variação total documentada em todo o Atlântico Norte. “Para ajudar nas previsões do clima nos próximos anos e décadas, precisamos de saber onde esta profunda reviravolta está a ocorrer actualmente e o que está a causar a mudança”, explicou Susan Lozier, principal investigadora do estudo.

fonte