Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

ONE CRESCE NOS PRIMEIROS SEIS MESES DE OPERAÇÃO EM PORTUGAL

Nos primeiros seis meses da operação que arrancou a 1 de abril de 2018, a OCEAN NETWORK EXPRESS (ONE) Portugal cresceu 30% face à operação da ex-K. Line no país, tendo transportado 30 mil TEUS, no valor de 18 milhões de euros. A empresa de transporte de contentores surge na sequência da fusão de três importantes armadores japoneses – KAWASAKI KISEN KAISHA (K. LINE), MITSUI O.S.K. LINES (MOL) e NIPPON YUSEN KABUSHIKI KAISHA (NYK). Trata-se de um crescimento do mercado português, sobretudo na rota Ásia-Europa.

Isabel Azeredo, country head da ONE Portugal, explica: “Das três companhias, só a K. Line tinha investimento direto japonês em Portugal; a MOL e a NYK eram representadas por agentes e tinham pouca expressão no mercado de transporte contentorizado no país. Como consequência da fusão, só o serviço Europa-África é novo, mas é ainda pouco representativo no nosso volume de negócios. Estamos, por isso, a falar de um crescimento efetivo e não proveniente de mercados ‘herdados’ resultantes da fusão. O aumento da competitividade dos nossos serviços permitiu-nos um crescimento na carteira de clientes”.

A ONE Portugal mantém os serviços anteriormente disponibilizados pela K. Line Portugal, bem como a aposta no mercado de short sea, mas reforça a operação para África e Estados Unidos da América. São cinco as rotas disponibilizadas: INTRA-Europa (incluindo Escandinávia), Europa-Ásia (incluindo Médio Oriente e Subcontinente Indiano), Europa-África, Europa-América do Norte e Europa-Oceânia.

ONE quer liderar transporte contentorizado refrigerado

Foi no dia 1 de abril do ano passado que a ONE iniciou a sua operação, após a fusão das três transportadoras japonesas. O principal objetivo foi, como salienta Isabel Azeredo, “potenciar o melhor das três companhias. Trata-se de uma estratégia ousada pois não deixam de ser três empresas a fundirem-se numa só, dando origem a uma outra com dimensão e competitividade necessárias para concorrer no mercado do transporte contentorizado através da criação de sinergias e de redução de custos”. A country head esclarece que “os custos de arranque, sob uma nova marca, um único sistema de informação e uma equipa única foram significativos”, mas realça que, em contrapartida, em Portugal, a empresa cresceu 30% face à atividade antes desenvolvida pela K. Line Portugal.

Uma das grandes apostas da ONE é liderar o segmento de transporte refrigerado, tendo para tal investido na aquisição de 14.000 contentores com refrigeração.
A multinacional nipónica espera ascender em breve ao quarto lugar do ranking de companhias internacionais de contentores. Quando receber a totalidade dos navios que encomendou, terá uma frota total de 240 embarcações com uma capacidade de 1,44 milhões de TEUS.
Com 32 colaboradores, a equipa da ONE Portugal cresceu para dar maior capacidade de resposta ao mercado. Até ao final do primeiro ano fiscal de atividade, Isabel Azeredo espera “estabilizar o serviço”. E acrescenta: “Apesar das dificuldades internacionalmente reconhecidas, decorrentes da introdução de novos sistemas de informação e adaptação aos mesmos, conseguimos em Portugal não só manter os clientes herdados da K. Line, como crescer, sobretudo em novos negócios. Acreditamos que manteremos o mesmo ritmo de crescimento nos próximos três meses”.