Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MINISTRA DO MAR:

«Se a Autoeuropa quiser usar Sines, terminal fica operacional numa semana»

Ana Paula Vitorino diz que as duas intervenções que a Autoeuropa considera necessárias para poder utilizar o Porto de Sines "corrigem-se no espaço de uma semana".

 

A Ministra do Mar garante que se Autoeuropa quiser utilizar o porto de Sines para despachar os seus automóveis numa semana o porto fica operacional sem poeiras provenientes do carvão e com um pavimento adequado.

Em entrevista ao Negócios e Antena 1, a Ministra do Mar explicou que a fábrica de Palmela levantou duas questões para poder carregar em Sines, numa altura em que decorre uma paralisação no porto de Setúbal: as poeiras da central de carvão e o pavimento com gravilha.

"Se a Autoeuropa manifestar o seu interesse em utilizar aquele terminal pode no prazo de uma semana começar a fazê-lo porque são intervenções muito rápidas", afirmou a governante, explicando ainda que estão a ser criadas redundâncias nos portos nacionais para que não se fique cativo de uma só solução.


Sobre a situação do Porto de Setúbal, a ministra fez pela primeira vez as contas aos prejuízos da paralisação dos estivadores que teve início a 5 de Novembro, revelando que quebra na movimentação é neste momento inferior a 50% mas que se a greve continuar até ao final do ano haverá uma redução de 70%.


"O valor directo e indirecto do Porto de Setúbal é de cerca de 300 milhões de euros por ano. Se considerarmos o peso da componente induzida estamos a falar de duplicar", afirmou Ana Paula Vitorino, que acredita que com um acordo entre estivadores e empresas de trabalho portuário ainda é possível "recuperar alguma coisa". Ainda assim reconhece que há linhas que já saíram do pais e que poderão não voltar.

fonte