Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística

Notícias

Setúbal tem gestão partilhada da frente ribeirinha

A Câmara Municipal de Setúbal aprovou a celebração de um protocolo com a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS) para a gestão partilhada de uma área na frente ribeirinha da cidade.

A zona em questão estende-se entre o Parque Urbano de Albarquel e a Rua dos Trabalhadores do Mar. O protocolo visa a requalificação da frente ribeirinha, e também “o aprofundamento da melhoria da relação entre a cidade e o seu porto", sublinha a deliberação camarária.

O acordo a celebrar entre as duas entidades pretende dar resposta ao "incremento significativo" do número de visitantes à cidade de Setúbal e, mais concretamente, à zona de restauração existente entre a Avenida José Mourinho e a Rua dos Trabalhadores do Mar.

O objectivo é "melhorar significativamente os serviços da limpeza, recolha de resíduos e manutenção dos espaços verdes, (…) determinantes para a promoção do bem-estar da comunidade local", define o protocolo.

Pelo protocolo, a APSS atribui ao município a gestão e exploração da área referida por um período de cinco anos, com efeitos a partir de 1 de janeiro de 2019, renovável por iguais períodos.

O documento estabelece, igualmente, que o município e a entidade portuária devem desenvolver estudos que visem a melhoria das condições de trabalho para a comunidade piscatória local, nomeadamente através da readequação das estruturas de guarda e aprestos de pesca.

fonte