Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MADEIRA

Praia do Porto Santo vai ser «recarregada» com areias dragadas do porto local

A Administração dos Portos da Madeira (APRAM) iniciiou o desassoreamento do porto do Porto Santo e os 100 mil metros cúbicos de sedimentos serão aproveitados para recarregar determinadas zonas da praia local.

De acordo com a presidente do conselho de administração da APRAM, Lígia Correia (na foto), os trabalhos deverão estar concluídos num prazo de 30 dias.

"Primeiro será feito o levantamento batimétrico no interior do porto pela empresa adjudicatária, atualizando-se os dados existentes", seguindo-se depois a dragagem, disse à Lusa.

Esta operação irá custar cerca de meio milhão de euros, tendo sido adjudicada a uma empresa holandesa.

O processo irá permitir que os sedimentos retirados do porto sejam depois usados e colocados "a uma profundidade de -7 metros no mar", numa das zonas onde se registou uma maior regressão nos últimos anos, a área entre a cidade baleira e as Pedras Pretas.

Estes são os maiores trabalhos de desassoreamento dos últimos 14 anos e têm como principal objetivo "melhorar as condições de navegabilidade, de manobra e segurança aos navios que aportam naquela ilha", explicou.

A APRAM estima que "o volume a dragar ronde os 100 mil metros cúbicos de sedimentos", sendo que estes materiais dragados têm "a qualidade semelhante às areias da praia".

São "cumpridos todos os requisitos ambientais legalmente exigidos" e assegurada uma amostragem representativa da zona a desassorear, indicou a responsável.

A Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais está também envolvida neste processo e a responsável pela pasta, Susana Prada, sublinhou que este é considerado um projeto-piloto.

"Sendo esta uma ação-piloto, será assegurada a adequada monitorização para ser verificada a eficácia do método", explicou.

Para o efeito, "serão feitos levantamentos topo-hidrográficos imediatamente antes da operação, logo após a operação e ao longo dos próximos anos".

Susana Prada acrescentou que os efeitos desta operação não são observados de imediato: "Esta ação limita-se a repor areia na parte submersa do sistema, ficando a natureza encarregada de a repor de forma gradual na praia".

Regularmente, a configuração da praia do Porto Santo com uma extensão de cerca de nove quilómetros, oscila entre troços que "revelam o substrato de pedra e o lajedo" e areal, num processo "normal e natural", dinâmico, que "pode sugerir uma tendência de desassoreamento" ou "uma possibilidade consentânea com os fenómenos e efeitos associados às alterações climáticas".

Em 2004 fez-se a maior dragagem e a primeira grande intervenção no porto do Porto Santo desde a inauguração, em 1984. Na altura, foram retirados 130 mil metros cúbicos de inertes.

fonte