Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Nova ferrovia Sines-Caia nas prioridades do Plano Nacional de Investimentos

O Secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme W. d'Oliveira Martins, assegurou no dia 17 que o Plano Nacional de Investimentos (PNI) 2030 vai incluir nas suas prioridades a nova ferrovia Sines/Caia e outros projectos que resultem da sua construção.

"Uma das prioridades" do PNI 2030 que "salta à vista" e que "resulta também da concretização do plano deste Governo, que é o Ferrovia 2020, é a componente ferroviária e tudo o que se segue" à concretização do Corredor Internacional Sul, afirmou.

O Governo, continuou, prevê "completar esse corredor ainda neste quadro", o Portugal 2020, mas "todos os projetos que resultarem" da sua construção também terão uma "componente estratégica importante para o 2030".

O governante falava aos jornalistas à margem de uma sessão regional de auscultação e recolha de contributos do PNI 2030, realizada nas instalações da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, em Évora.

Também em declarações aos jornalistas, o presidente da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC), José Calixto, defendeu que o PNI 2030 deve estar integrado "com outros planos que a região está a desenvolver", nomeadamente com o Plano Regional de Ordenamento do Território, os planos estratégicos das comunidades intermunicipais e com os grandes investimentos previstos.

"O que está à volta tem de contar para as opções e prioridades do plano", referiu, dando como exemplo a construção do novo Hospital Central do Alentejo, em Évora: "Se há, tem de haver uma conexão de todo o território para não termos o Alto ou o Baixo Alentejo a pensarem que este é só um hospital do Alentejo Central", disse.

O também autarca socialista de Reguengos de Monsaraz sublinhou que o novo hospital "não é matéria" do PNI 2030, mas referiu que a concretização do projeto "implica que se pense no Plano Nacional de Investimentos 2030 em mais umas dezenas de milhões para as ligações rodoviárias e, depois, criar uma conexão com todo o Alentejo".

O aumento da capacidade de fornecimento de água do Alqueva à população e à agricultura, questões relacionadas com a qualidade da água da albufeira e o projeto de uma central dessalinizadora foram outros dos assuntos levantados por José Calixto, que também representou a Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo (ADRAL).

Já o presidente da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo, Ricardo Pinheiro (PS), considerou como "investimento prioritário" a construção da Barragem do Pisão, no concelho do Crato, distrito de Portalegre.

"É [um projeto] absolutamente estruturante", assinalou.

Entre outras sugestões, o também autarca de Campo Maior apontou ainda a necessidade de se "adaptarem os percursos formativos do ensino no Alentejo à criação de riqueza na região".

O Programa Nacional de Investimentos 2030 define os investimentos estratégicos que o país deverá alcançar na próxima década, estando articulado com os objetivos estratégicos definidos para o Portugal 2030, neste caso nos setores da Mobilidade e Transportes, Ambiente e Energia.

Abrange as infraestruturas de nível nacional localizadas em Portugal Continental com projetos ou programas com um investimento superior a 75 milhões de euros.

fonte