Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística

Notícias

CE divulga relatório sobre economia azul na Europa

Em 2016, a economia azul representava um Valor Acrescentado Bruto (VAB) de 4.176 biliões de euros e correspondia a 2,59% do VAB nacional em Portugal, segundo o Relatório Anual sobre a Economia Azul da União Europeia (The 2018 Annual Economic Report on EU Blue Economy), divulgado pela Comissão Europeia (CE). O documento, elaborado pela Direcção-Geral de Assuntos Marítimos e Pescas da CE (DG Mare) e o Centro de Investigação Conjunta da CE, contudo, não reflecte as opiniões da CE, segundo ali se refere.

De acordo com o relatório, nesse ano, a economia azul empregava 178 mil pessoas (4,07% dos empregos nacionais) e era dominada pelo segmento do turismo costeiro, que representava 75% dos empregos no sector, 74% do VAB e 78% dos seus lucros. Também é destacada a importância do segmento dos recursos vivos, que representava 21% dos empregos, 15,1% do VAB e 12% dos lucros.

Importa referir que o conceito de economia azul aqui utilizado inclui o que os autores consideram os seis segmentos estabelecidos (recursos vivos, turismo costeiro, extracção marinha de petróleo e gás, transporte marítimo, construção e reparação naval e ainda portos, armazenamento e projectos marítimos), explicados no documento. Outros segmentos, considerados emergentes (energias renováveis, biotecnologia azul, mineração em mar profundo, dessalinização, protecção ambiental e costeira, defesa e segurança e ainda investigação e formação marinha) também são mencionados, mas por falta de dados disponíveis, referem os autores, não são alvo de uma análise detalhada.

No documento, a CE analisa o sector entre 2009 e 2016 e conclui que o seu VAB se manteve estável em Portugal entre 2009 e 2012, para subir progressivamente e atingir o pico em 2016. No mesmo período, o VAB do sector aumentou 26,7% e o seu contributo para o VAB nacional aumentou 22,4%, contrastando com o Produto Interno Bruto (PIB) do país, que não conheceu grande alteração, refere a CE.

No plano do emprego, no mesmo período, o sector cresceu 14,3% e o seu contributo para o total nacional cresceu 21,5%, contrariando uma tendência descendente do emprego global em Portugal. Já o salário médio no sector era de 11.200 euros em 2016, mais 9% do que em 2009, tendo crescido em todos os segmentos, excepto no transporte marítimo, ao longo desse período.

Quanto aos dados relativos à economia do mar na Europa, o relatório abrangeu mais de 3,48 milhões de pessoas empregadas no sector, ou seja, mais 2% do que as empregadas em 2009 (o ano de partida para análise). Com a empregabilidade relativamente estável, dizem os autores, já os salários cresceram 14,2% entre 2009 e 2016. E o VAB do sector na Europa atingiu 174,2 biliões de euros em 2016, mais 9,17% do que em 2009. Os lucros brutos foram de 95,1 biliões de euros, mais 8,1% do que em 2009, e o volume de negócios foi de 566,2 biliões de euros, mais 7,2% do que em 2009.

fonte