Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Só 6% dos marítimos concordam com navios totalmente autónomos

Num inquérito da Nautilus Federation, que reúne sindicatos de marítimos, a quase mil profissionais do mar de mais de 20 associações sindicais, apenas 6% dos inquiridos concordaram com uma navegação marítima totalmente autónoma, ou seja, não tripulada, na qual os sistemas automáticos tomariam todas as decisões, revela o Safety4Sea.

De acordo com o mesmo inquérito, 40% dos marítimos no activo acreditam que os navios autónomos serão comercialmente viáveis dentro de 20 anos. Mas 44% mostrou-se favorável a uma presença humana activa na supervisão dos processos de decisão desse tipo de navegação. E 23% admitiram um ligeiro aumento da autonomia, que mantenha uma capacidade de substituição dos sistemas pelos homens, mas reduza o grau de supervisão humana sobre as decisões automáticas.

Por outro lado, apenas 16% manifestaram vontade de um futuro sem apoio da navegação autónoma, o que parece sugerir que os marítimos permanecem abertos a uma abordagem híbrida do problema, em que os sistemas de navegação autónoma funcionem com o apoio e sob o controlo de marítimos profissionais treinados.

A publicação também considerou interessante que 89% dos marítimos tivesse admitido que os armadores só adoptariam a navegação autónoma se esta se revelasse menos dispendiosa do que a navegação com recurso aos marítimos.

fonte