Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Ferry para a Madeira poderá também vir a ligar Portimão a Marrocos

Ana Paula Vitorino, Ministra do Mar, esteve na chegada do ferry «Volcán de Tijarafe» ao Porto de Portimão, onde destacou a expetativa de que a operação corra bem, para que possa vir a ser alargada quer no período temporal, quer na frequência de viagens semanais. Isto porque, para já, apenas há ligações no verão e uma vez por semana. O ferry transporta passageiros e veículos (ro-pax), no mínimo, durante os próximos três anos, estando previsto um mínimo anual de 12 viagens de ida e volta, na época alta.

 

Depois de muito tempo a concertar esforços com o Governo Regional da Madeira para ter de novo esta travessia, a ministra reforçou que esta é uma questão de «continuidade territorial», dando mais condições a regiões ultra-periféricas como é o caso dos Arquipélagos. Os madeirenses têm estado em desvantagem por só poderem viajar para o Continente através da via aérea e é essa assimetria que o governo pretende reduzir.

Por outro lado, «esta parceria produz uma nova alternativa que traz mais coesão nacional, viabilizando a coesão territorial de outra forma, além das ligações aéreas, que potenciará também o turismo», sobretudo o turismo de famílias, valorizou a governante. «As famílias podem deslocar-se, levar o carro, por um preço acessível, muito mais barato do que o avião», destacou. Além do turismo esta operação será um acréscimo para a movimentação portuária.

«O que ficou combinado pelo Governo Regional e o Governo da República foi que nós começaríamos por ter um serviço no verão e que se tudo correr bem continua, se correr muito bem poderemos alargar. Na primeira viagem foram 150 passageiros, agora já vêm cerca de 300, o que significa que as pessoas estão tomar conhecimento sobre o serviço e estão a aderir. E se correr muito bem, espero autorizar a que se alargue o prazo e que não sejam sequer necessários os apoios financeiros» que ambos os governos deram.

Pedro Miguel Calado, vice-presidente do Governo Regional da Madeira, não pôde estar presente, mas enviou uma mensagem onde aproveitou a oportunidade para agradecer o apoio do Ministério do Mar e entidades públicas que «fizeram com que esta ligação marítima fosse possível», elogiando o acolhimento da Câmara Municipal de Portimão, «no dia 3 de julho, aquando da primeira viagem realizada».

Esta foi uma reivindicação também de Portimão, conforme afirmou Isilda Gomes, que sublinhou a importância desta ligação para os algarvios e madeirenses. «Quando aproximamos duas regiões, estamos a criar mais laços, a permitir que mais cidadãos possam fazer férias, quer no Algarve, quer na Madeira», disse a autarca. «Portimão é um município onde se pode chegar de três formas. Ou seja, por mar, terra e ar, pois já no meu mandato conseguimos ter a carreira aérea entre Portimão e Bragança, aproximando o interior do litoral e ao mesmo tempo o norte do sul, recordou.

Foi ainda durante esta visita ao ferry que tinha acabado de chegar da Madeira e já se preparava para zarpar noutra viagem que Ana Paula Vitorino revelou também que «existem ligações que podem vir a existir, apresentadas na Cimeira ao Reino de Marrocos», havendo também contactos com outros potenciais destinos.

José Luís Cacho, presidente da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS), vê o retomar desta ligação com «enorme satisfação». Destacou ainda que o Porto de Portimão tem vindo a assumir importância na área dos cruzeiros, sendo um segmento que tem vindo a crescer. No entanto, a APS não quer ficar apenas pela Madeira e já pensa em alargar a ambição a Espanha e Marrocos, fronteiras marítimas que são viáveis para este transporte dos ferries e que podem «contribuir para a sustentabilidade do crescimento do turismo no Algarve».

É, aliás, por esta razão que a ministra do Mar considera essencial a tão esperada dragagem e intervenção no Porto de Portimão, com um valor que ascende aos 18 milhões, até porque a governante quer que Portimão se assuma como Porto Comercial de Portimão, depois de Faro ter vindo a perder terreno nesta área.

Quanto à intervenção no porto a Barlavento, a ministra avançou que o estudo de impacto ambiental deverá ser entregue à Agência Portuguesa do Ambiente em setembro para iniciar o procedimento de Declaração Ambiental. Caso a luz verde seja dada, a governante espera que a obra esteja concluída no final de 2019, início de 2020.

fonte