Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

CE propõe novo fundo para mar e pescas com 6,14 mil milhões de euros

A Comissão Europeia (CE) propôs um novo fundo para investimento na economia marítima e apoio às comunidades piscatórias (Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas) com uma dotação de 6,14 mil milhões de euros, a inscrever no “próximo orçamento de longo prazo da UE (2021-2027)”, o qual entrará em vigor em 1 de Janeiro de 2021, segundo informou em comunicado.

De acordo com a CE, o novo fundo “continuará a apoiar o sector europeu das pescas em actividades de pesca mais sustentáveis, concentrando-se particularmente nos pequenos pescadores”, contribuindo para libertar o “potencial de crescimento de uma economia azul sustentável, que proporcione às comunidades costeiras um futuro mais próspero” e, pela primeira vez, para reforçar a “governação internacional dos oceanos, para que os mares e oceanos se tornem mais seguros e mais limpos, e sejam geridos de forma sustentável”.

Relativamente aos pequenos pescadores costeiros, cujos navios tenham comprimento inferior a 12 metros” e que representam “metade dos postos de trabalho europeus no sector das pescas”, será atribuída particular importância pelo novo fundo. “As comunidades costeiras receberão um apoio mais importante e alargado para a criação de parcerias locais e para transferências de tecnologia em todos os setores da economia azul, incluindo a aquicultura e o turismo costeiro”, referiu também a CE.

No plano da economia marítima, “cuja produção mundial está estimada em 1,3 biliões de euros e poderá aumentar para mais do dobro até 2030”, a CE aumentará o seu apoio relativamente ao período 2014-2020, segundo informou a instituição, lembrando que o fundo “permitirá o investimento em novos mercados, serviços e tecnologias marítimos, como a energia oceânica e a biotecnologia marinha”.

A CE informou também que está “a reforçar o impacto ambiental do Fundo, centrando-o na protecção dos ecossistemas marinhos, prevendo para este efeito a afectação de 30 % do seu orçamento à atenuação das alterações climáticas e à adaptação a estas, em consonância com os compromissos assumidos no âmbito do Acordo de Paris”.

O novo fundo “co-financiará projectos, em paralelo com fontes de financiamento nacionais, recebendo cada Estado-Membro uma parte do orçamento total”, refere a CE, acrescentando que “os Estados-Membros elaborarão os respectivos programas operacionais nacionais indicando como tencionam utilizar as verbas” e que depois de aprovados esses programas pela CE, as autoridades nacionais decidirão dos projectos que pretendem apoiar”.

A CE esclarece também que o fundo se caracterizará por ser mais simples e flexível para os Estados-Membros, “que passam a poder orientar o apoio para as suas prioridades estratégicas, em vez de terem de se limitar a uma lista de acções elegíveis”, mais harmonioso com “outros fundos da União Europeia”, cujas normas aplicáveis constam do Regulamento «Disposições Comuns», e melhor orientado “para o cumprimento dos objectivos da política comum das pescas”.

Na mesma comunicação, a CE considera “essencial que se alcance rapidamente um acordo sobre o orçamento geral da UE a longo prazo e as suas propostas sectoriais, para garantir que os fundos da UE comecem a produzir resultados concretos com a maior celeridade possível”.

Para a CE, “atrasos semelhantes aos que se verificaram no início do actual período orçamental (2014-2020) teriam como consequência que as necessidades dos pescadores e das comunidades costeiras, e a protecção do meio marinho de que dependem não seriam tratados com a urgência necessária”, pelo que “a obtenção de um acordo sobre o próximo orçamento a longo prazo em 2019 asseguraria uma transição harmoniosa entre o actual orçamento a longo prazo (2014-2020) e o novo orçamento, assim como a previsibilidade e a continuidade do financiamento em benefício de todos”.

fonte