Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MINISTRA DO MAR EM ENTREVISTA AO «EXPRESSO»

Portugal na nova rota da seda da China

Não há semana em que a China não manifeste interesse, e de um modo cada vez mais insistente, pela nossa centralidade no Atlântico no cruzamento das rotas marítimas globais, nomeadamente Sines, diz Ana Paula Vitorino, a Ministra do Mar, em entrevista ao Expresso. O seu Ministério avançou com um memorando com o homólogo em Pequim para desenvolver o que batizaram de “parceria azul” (usando simbolicamente a cor dos oceanos). A meta será criar uma extensão “azul” da iniciativa das novas rotas da seda, conhecida por Uma Faixa, Uma Rota (Belt and Road), que coloque Portugal no mapa da globalização chinesa. A visita recente a Portugal de Wang Yi, a Ministra dos Negócios Estrangeiros, e o encontro com o homólogo português, Augusto Santos Silva, reforçou esta oportunidade.

O atual traçado oficial das novas rotas da seda (ver mapa) é omisso, por ora, sobre o Atlântico, mas o movimento de globalização de Pequim valorizou, de novo, este espaço marítimo estratégico, um pouco adormecido com o final da Guerra Fria e o recuo dos EUA no papel da base das Lajes. “A bacia do Atlântico é um espaço em transformação”, segundo Paulo Duarte, investigador na Universidade do Minho, em Braga, e doutorado na Universidade de Lovaina, na Bélgica. E como todos os espaços geopolíticos nessas condições está cheio de oportunidades, entre elas as que decorrem da estratégia chinesa até 2050 (ver caixa) que o investigador de Braga sintetizou no título do livro que publicou no ano passado — “Pax Sinica: todos os caminhos vão dar à China”.

Nesse mar de oportunidades, “Portugal deve ter em conta os seus próprios interesses de longo prazo e procurar equilibrar a sua vocação europeia e atlântica com a sua história, onde a Europa e o Atlântico não são um ponto de chegada, mas de partida para o mundo”, refere o economista macaense José Luís de Sales Marques, presidente do Instituto de Estudos Europeus de Macau. No mesmo sentido, sobre o jogo de cintura que Portugal deve ter, se pronuncia Fernanda Ilhéu, professora do ISEG em Lisboa e presidente da Associação dos Amigos da Rota da Seda: “Esperamos que a diplomacia portuguesa encontre um espaço de manobra entre os compromissos com a União Europeia e a sua posição estratégica e relacionamento secular com a China”.

O mundo empresarial português não deve perder este barco. “Portugal tem condições de afirmar a sua centralidade no contexto desta nova fase da globalização e pode e deve tirar partido desta iniciativa chinesa”, sublinha-nos Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Usando o simbolismo chinês, o país tem “um colar de pérolas” — desde os portos continentais de águas profundas, com destaque para Sines, aos Açores e à Zona Económica Exclusiva atual, que já é a terceira maior da União Europeia, e que quase duplicará, se a candidatura de extensão da plataforma continental for aprovada.

Quinhentos anos depois de os portugueses chegarem a Cantão e de terem criado depois a primeira carreira global que ligava Lisboa, Goa e Macau, Portugal e China reencontram-se agora no Atlântico. O quadro de relacionamento atual com a segunda maior economia do mundo coloca-a como sexto fornecedor de bens e sétimo investidor direto em Portugal, mas a posição como destino de exportação desceu para 12º lugar, atrás de Angola, Brasil e Polónia. Em Sines, o porto sempre em destaque, 8% da movimentação de contentores provêm da China. A oportunidade é fazer subir estes números.
A janela do gás

A par do vetor óbvio, o portuário para o import-export e para o transbordo, uma oportunidade emergente prende-se com o gás natural liquefeito (GNL), por muitos considerado o combustível fundamental para mover os navios no século XXI. Um especialista do sector refere ao Expresso que, “no contexto energético da mobilidade marítima, a posição geoestratégica de Portugal e das regiões autónomas dos Açores e da Madeira podem conferir maior eficiência nas rotas marítimas no que diz respeito ao reabastecimento dos navios movidos a GNL”. Acrescenta que uma ligação à posição estratégica de Cabo Verde é outra vertente fundamental, onde a Enacol-Empresa Nacional de Combustíveis é controlada em mais de 48% pela Galp. António Costa Santos avança, por seu lado, que “o porto de Praia da Vitória, na ilha Terceira, cujo uso é incipiente, pode ser convertido numa grande estação de GNL mesmo no centro do Atlântico”.

Mas a centralidade portuguesa não é só geográfica. Tem, também, uma dimensão simbólica. Para José Luís de Sales Marques, Portugal “é mesmo uma joia rara”, por reunir “um conjunto de características únicas geopolíticas e geoestratégicas, por ser a nação ocidental que há mais tempo se relaciona com a China, e pelo espaço de língua portuguesa”. O próprio português, sublinha Sales Marques, “através do Fórum Económico e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (conhecido como Fórum Macau), passou a ser a única língua estrangeira usada pela China como instrumento da sua diplomacia global e é promovida como língua útil para o futuro”.

fonte