Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MINISTRA DO MAR PRESIDIU À CONFERÊNCIA «DOURO - UM CANAL PARA O TERRITÓRIO» E INAUGUROU CENTRO DE CONTROLO DA VIA NAVEGÁVEL DO DOURO

A Ministra do Mar, Ana Paula Vitorino presidiu esta sexta-feira à Sessão de Abertura da Conferência “Douro: Um Canal para o Território”, uma iniciativa que foi promovida pela Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), num debate e interação com os vários agentes económicos sobre o desenvolvimento sustentável da região do Douro.

«O rio Douro é um dos cursos fluviais mais emblemáticos da Europa», admitiu a Ministra do Mar na sessão, acrescentando que «a Via Navegável do Douro constitui um potencial único de interligação do Atlântico com o interior do país, bem como com Espanha, incrementando a interação entre o litoral e o interior, muito contribuindo para o desenvolvimento sustentável desta região». Por outro lado, Ana Paula Vitorino salientou que tem aproveitado as deslocações ao estrangeiro «para promover a Via Navegável do Douro», nomeadamente na recente deslocação à Polónia onde apresentou o projeto “Douro’s Inland Waterway 2020”, na Conferência Internacional de Navegabilidade Interior/Fluvial.

Após a abertura da Conferência, a Ministra do Mar inaugurou a reabilitação do Cais da Régua, a beneficiação de uma infraestrutura que teve como objetivo melhorar a acessibilidade e fruição local, bem como os níveis de segurança e conforto, no embarque e desembarque de passageiros. Mais tarde, decorreu a cerimónia de inauguração do Centro do Controlo da Via Navegável do Douro, no edifício da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo. E, logo de seguida, foi apresentado o plano de Gestão de Segurança e Emergência no rio Douro, integrado no “RIS – River Information Service”.

O novo Centro de Controlo da Via Navegável do Douro e o plano de Gestão de Segurança e Emergência do rio Douro fazem parte da segunda fase de execução do “Douro’s Inland Waterway 2020”, que teve início em 2016 e que inclui dois grandes projetos: o “Safer and Sustainable Accessibility” (SSA) e o “River Information Services” (RIS).

O SSA envolve um investimento de 10,089 milhões de euros, com uma taxa de financiamento comunitário de 85%. Este projeto pretende melhorar as condições de segurança no estuário do rio Douro.

Já o RIS teve um investimento de 2,733 milhões de euros, com uma taxa de financiamento comunitário de 85%. Este projeto, também em curso, tem como objetivo a implementação do RIS na navegação, designadamente através da aquisição e desenvolvimento do hardware e software necessários à implementação de um sistema de comunicação em pleno funcionamento nos 208 km do canal de navegação.
Recorde-se que, com um com um orçamento global de 76 milhões de euros, o projeto “Douro’s Inland Waterway 2020” pretende melhorar as condições de segurança e os sistemas de comunicação e de informação ao longo de toda a Via Navegável, corrigir os constrangimentos no canal e nas eclusas de navegação, e criar condições para que mais empresas possam usar o Douro como meio de transporte.