Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

MIGUEL MARQUES (PwC)

Economia do Mar resistiu com resiliência à crise iniciada em 2008

Miguel Marques foi outra das marcantes personalidades a dar vida à conferência ‘Shipping 4.0 – O Mar de Amanhã’, realizada a16 de Maio nas instalações da ENIDH. Partner na PwC, Miguel Marques abriu o evento explorando o tema ‘O Mar e a Revolução Digital’, actualmente enquadrado, explicou, por uma postura de «esperar para ver por parte do mercado».

Dando conta, com base nos resultados do barómetro LEME da Economia do Mar em Portugal (de 2016), que «60% das variáveis» do contexto do Mar apresentaram desenvolvimentos «favoráveis», Miguel Marques realçou que este sector «resistiu bem à adversidade iniciada em 2008» com a crise financeira global, mostrando a sua vocação «de longo prazo» e «a sua resiliência».

Evolução positiva das cargas e a tendência de «concentração» no shipping lá fora

A sua intervenção incidiu também sobre a «evolução das cargas« movimentadas – os portos portugueses viram, nos últimos vinte anos, uma clara progressão no volume de mercadorias, facto que mereceu o elogio do membro da PwC e ao qual não será alheio o desenvolvimento digital que já se faz sentir há vários anos, pois, se a revolução digital vem batendo à porta, a verdade é que já experimentamos, recorrentemente, os efeitos de «alterações prévias próprias da necessidade de dinamização».

O «excesso de capacidade», o «crescimento dos navios» e os adjacentes fenómenos de «concentração» no seio do transporte marítimo internacional marcam uma tendência global de consolidação que sopra ventos de mudança e provoca, até, modificações no cariz do financiamento deste sector, explicitou.

Digitalização é «mudança real» passível de reduzir «espaço de manobra dos intermediários»

De acordo com os estudos e inquéritos da PwC, «90% dos líderes inquiridos acham que a digitalização não se trata apenas de uma moda», afiançou Miguel Marques. Este fenómeno tratar-se-á, efectivamente, de um paradigma que veio para ficar, provocando «a entrada de novos players», a «diminuição de espaço de manobra dos intermediários» e «alterações nos comportamentos operadores marítimos e logísticos».

É necessário «democratizar o acesso à tecnologia», afirmou Miguel Marques

Para que a digitalização já se incorporou no shipping (e continuará a fazê-lo de forma acentuada), o sector, em conjunto, deverá procurar «democratizar o acesso à tecnologia», buscar «mais formas de compatibilização da informação digital, mitigar o risco de ciber-ataques» e fomentar a «melhoria da cooperação para maximizar os benefícios da revolução digital», enumerou.

fonte