Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Sines ocupa a 88ª posição no Top-100 de Terminais de Contentores

No ano em que a carga contentorizada assumiu, pela primeira vez, o lugar cimeiro no que diz respeito aos índices de movimentação no Porto de Sines, o ranking Top-100 de Terminais de Contentores da Alphaliner posiciona Sines na 88ª posição. Com um total de 1,67M TEU movimentados em 2017, Sines subiu três posições em relação à classificação de 2016, mantendo também o 15º lugar a nível Europeu no mesmo segmento de carga. De lembrar que em 2017 o Terminal de Contentores de Sines registou uma variação homóloga de 10,3%, correspondendo a 42% do total movimentado em porto.

Pese embora o excelente resultado conseguido ao nível da carga contentorizada em 2017, o primeiro trimestre de 2018 registou decréscimo da ordem dos 18% na movimentação total do Porto de Sines.
Alguns fatores externos, como sejam as condições climatéricas que logo no início do mês de março assolaram a região (e o continente), inviabilizaram a realização de algumas operações portuárias, contribuindo para um decréscimo de movimentação em todos os segmentos de carga.

No entanto, e apesar da influência menos positiva das paragens técnicas das unidades produtivas do complexo de Sines, das condições climatéricas adversas registadas ou até mesmo das variações registadas na procura e no consumo, as previsões apontam para uma recuperação na atividade do porto, prevendo-se um incremento nos volumes totais até ao final do ano.