Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

António Costa diz que ferrovia Évora-Elvas abre à Europa a porta do Porto de Sines

O Primeiro-Ministro, António Costa, salientou esta segunda-feira que o investimento na futura ligação ferroviária Évora-Elvas é “simbólico do momento que se vive na economia portuguesa” e destacou as vantagens que esta linha trará para o País, com ligações mais rápidas em 03h30, com custos 30% mais baixos para quem for operar nos portos de Sines, Setúbal e Lisboa, encurtando distâncias em 140 quilómetros. “Esta obra vai reforçar a nossa competitividade”, disse António Costa, sublinhando que este investimento abre a “porta à Europa” do “porto de águas profundas” de Sines.

O chefe do Governo português falava na cerimónia do lançamento do concurso para a ligação ferroviária entre Évora e Elvas, que decorreu ao final da manhã no Museu de Arte Contemporânea de Elvas. A obra deverá iniciar-se em Março de 2019 e terá um custo de 509 milhões de euros, quase metade provenientes de fundos europeus.

Perante o chefe do governo espanhol, Mariano Rajoy, António Costa lembrou que Portugal virou a página da crise ao registar o maior crescimento económico dos últimos 10 anos, em 2017, e o défice mais baixo em 43 anos de democracia. As obras na ferrovia, permitindo a ligação do porto de Sines e Lisboa à fronteira espanhola, são importantes para a Europa e para a Península Ibérica, mas também para Portugal.

“É também simbólico do novo momento que vive a economia portuguesa. Vivemos anos de dura crise, conseguimos virar essa página”, afirmou o primeiro-ministro, estimando num “aumento de 40%” do investimento público em 2018.

António Costa afirmou que “chegou a hora de, em primeiro lugar, apostar também no investimento público e, sem segundo lugar, com o investimento público, ajudar a sustentar este crescimento económico que tem estado assente, sobretudo, no investimento privado e nas exportações”.

“É um investimento que contribui simultaneamente para melhores condições para o investimento privado, para internacionalização e para exportação dos nossos produtos e serviços”, salientou.

Símbolos e investimento

O chefe do Governo espera resultados e efeitos deste “investimento público” que contribua “não só para o crescimento, mas que ajude os investidores a investir, as empresas a exportar e as pessoas a poderem ter mais e melhor emprego”.

Para este ano, e depois de um aumento que disse ter sido de 20% no investimento público em 2017, António Costa espera que este ano o aumento de 40% se reflicta positivamente, nos “investimentos em saúde, educação e infra-estruturas”, para “aumentar a produtividade” da economia “mas também a capacidade de exportar cada vez mais”.

Num discurso em se referiu a vários “simbolismos”, entre eles o do projecto europeu de solidariedade, que a obra pode representar, António Costa aludiu também ao facto de Elvas, cidade a 10 quilómetros da fronteira espanhola, poder vir a conhecer nova história.

“Elvas foi um símbolo “de separação entre Portugal e Espanha e, com este projecto, passa a unir o que separou no passado, o que é também uma marca da União Europeia, unir o que a história separou”, disse.

Já o ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, considerou este “um dia histórico” para Portugal. “Um dia histórico em que assinalamos o arranque da fase de construção da linha ferroviária entre Évora e a fronteira. É um dia histórico para a Europa e para a consolidação da rede transeuropeia de transportes, um dia histórico para a Península Ibérica e para o reforço de ligações entre os nossos dois países”, sublinhou. Para o governante, trata-se também de “um dia histórico” para o País, uma vez que marca o arranque da “maior obra de linha nova dos últimos cem anos” na ferrovia portuguesa.

A obra de construção da nova linha entre Évora e Elvas, com cerca de cem quilómetros de extensão, deverá iniciar-se até Março de 2019 e a conclusão está programada para o primeiro trimestre de 2022, num custo de 509 milhões de euros (quase metade provenientes de fundos europeus), segundo o Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas.

Antes do lançamento do concurso, decorreu na estação de Elvas uma cerimónia simbólica, que assinalou o início da empreitada de modernização do troço Elvas-Caia. Este troço de 11 quilómetros, chamado ‘missing link’, faz parte do corredor internacional sul, que ligará o Porto de Sines até à fronteira com Espanha.
Costa e Mariano Rajoy saudados por populares

Esta ferrovia da linha atlântica, entre Évora e a fronteira de Caia (Elvas), que, ao todo custará, nos próximos anos, mais de 500 milhões de euros, permitirá ligar os dois países por comboio, tendo em vista, especialmente, as mercadorias, o que explica a presença em Elvas do chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy. Depois da cerimónia, os dois chefes de Governo saíram à rua, foram saudados por alguns populares, Costa até foi cumprimentar algumas pessoas, e seguiram para um almoço em Elvas, no Forte da Graça.

fonte