Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

LISBOA

Doca da Marinha vai transformar-se em novo espaço de lazer do rio Tejo

Lisboa vai ter um novo espaço lazer junto ao Tejo, onde está atualmente localizada a Doca da Marinha, local que vai ser intervencionado e deverá estar pronto ainda "este mandato", anunciou o Presidente da Câmara, Fernando Medina.

"A Doca da Marinha era, no fundo, a peça que faltava para ligação até à parte seguinte que já está recuperada pela Administração do Porto de Lisboa [APL], que é toda a zona do Terminal de Cruzeiros", afirmou o presidente da Câmara, em declarações aos jornalistas no final da cerimónia.

Quanto aos pormenores da intervenção, "o muro [da doca] vai desaparecer" e "toda aquela zona vai fica aberta, fronteira ao rio".

Já a Avenida Infante D. Henrique terá um perfil novo, mas mantém a largura e a circulação automóvel.

Medina explicou que "vai ser dada sequência à plantação de árvores", e haverá também um "alargamento da circulação pedonal, porque vai entrar na zona que atualmente tem o muro".

"Vai haver uma avenida arborizada, pedonal, com ciclovia, que vai prolongar a ciclovia que já vem pela avenida marginal", acrescentou.

Quanto aos edifícios que se encontram atualmente naquele espaço, "todas as construções vão ser demolidas, tudo aquilo vai ser limpo, quer as que estão do lado nascente, quer as que estão do lado poente, e vai ficar toda uma zona ampla, larga, aberta ao rio".

"A grande transformação que se vai ver é que quem hoje passa ali vê o muro, e quem vê por trás do muro vê um parque de estacionamento, e o que vai ver [depois da intervenção] é rio", precisou o autarca.

Fernando Medina (PS) admitiu que aquela zona poderá vir a ter "construções de natureza provisória que sirvam de estruturas de apoio", como bar e restauração, ou equipamentos culturais, questão que a Câmara está "a estudar e avaliar".

O "sonho" do autarca é que aquela doca "possa ter um posto de acostagem regular, quer do [navio-escola] Sagres, quer do [navio de treino de mar] Creoula, permitindo a visita das pessoas a estes dois navios emblemáticos da Marinha Portuguesa".

"Vamos iniciar a fase de projeto e de estudos, mas é uma das obras que eu tenho empenho em que esteja concluída neste mandato", referiu o presidente da Câmara, que se escusou a adiantar valores de investimento, alegando que "ainda é cedo para dizer".

Ainda assim, Medina precisou que "será um investimento da Câmara", dado que o acordo refere que a "Marinha disponibilizou o espaço, transfere os equipamentos que aqui tinha de combate à poluição para a Doca de Santo Amaro, e a Câmara constrói o edifício que a Marinha necessitará nessa doca".

"Por isso nós teremos dois investimentos, a recuperação de toda esta zona, e a construção do edifício que a Marinha perde deste lado", elencou.

A Câmara Municipal de Lisboa, a APL e a Marinha assinaram hoje o protocolo de cooperação que permitirá esta intervenção - que frisaram ser importante para devolver a cidade aos munícipes -, numa cerimónia que contou também com a presença da ministra do Mar, Ana Paula Vitorino.

Falando aos jornalistas, Fernando Medina adiantou que a intervenção na antiga estação fluvial Sul e Sueste está "em fase de trabalho e arranque de obra", pelo que irá arrancar "em breve".

Em setembro, na cerimónia de assinatura do protocolo para cedência do edifício, que dará lugar a um terminal de atividade marítimo-turística, o diretor-geral da Associação Turismo de Lisboa não quis apontar uma data para o início dos trabalhos, mas apontou que o objetivo era que a intervenção terminasse no final deste ano.

Questionado sobre a razão do atraso, o presidente explicou que se prendem com questões técnicas que estão a ser analisadas com o Laboratório Nacional de Engenharia Civil, por forma a não por em risco a estrutura do Metropolitano.

fonte

VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB