Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

CARLOS VASCONCELOS, MSC:

Novas tecnologias vão «aumentar significativamente as potencialidades da logística»

No seguimento do encontro anual de quadros da MSC Portugal, realizado no final de Janeiro na cidade do Porto, a Revista Cargo falou com Carlos Vasconcelos para um balanço da iniciativa mas também para uma síntese daquilo que o armador espera para o futuro – onde as tecnologias desempenharão papel cada vez mais fulcral.

Em declarações em exclusivo à Revista Cargo, o Administrador da MSC Portugal admite que «os encontros anuais MSC são sempre eventos muito importantes para o nosso colectivo de colaboradores», acrescentando que os mesmos servem de «balanço do ano transacto» mas também para avaliar as «perspectivas do ano corrente» – sempre com uma componente lúdica e de convívio entre colegas.

Carlos Vasconcelos salienta ainda que estes encontros servem para reforçar aquilo a que chama o «espírito “MSCiano”», considerando este «um dos segredos do nosso sucesso», aos quais junta «a humildade e a persecução da excelência no serviço ao cliente interno e externo».

2017 trouxe «crescimento sustentado»; para 2018 há ambição de «manter o mesmo ritmo»

Ainda em declarações à Revista Cargo, o responsável da MSC Portugal fez também um balanço de 2017, admitindo que este foi «mais um ano de crescimento sustentado» e enaltecendo o «crescimento de 12% face a 2016 no que respeita às Importações e Exportações».

Já em relação a 2018, mostra optimismo para o mercado português, que espera que «mantenha no segmento dos contentores as mesmas taxas de crescimento que tem registado nos anos anteriores».

Já no que diz respeito às ambições e perspectivas da MSC Portugal para este novo ano, admite esperar «manter o mesmo ritmo de crescimento» mas ressalva que o mercado está em profunda mudança e que o foco deve estar «ainda mais na qualidade do serviço»: «Conscientes das mudanças tecnológicas que se avizinham e da evolução do mercado, para níveis de concentração maiores e, por conseguinte, maior concorrência, entendemos que temos de nos focar ainda mais na qualidade do serviço aos clientes, procurando melhorar a nossa prestação».

Novas tecnologias vão «aumentar significativamente as necessidades e as potencialidades da logística»

O encontro anual de quadros da MSC Portugal ficou também marcado pela discussão do impacto das novas tecnologias no transporte marítimo, tendo como mote o “Shipping 4.0”. Desafiado pela Revista Cargo a sintetizar os impactos que a MSC Portugal espera na sua actividade, Carlos Vasconcelos salienta que vê «essas transformações como desafios».

«A gestão da informação (Big Data), a robotização, os sistemas inteligentes de transportes e veículos autónomos, a impressão 3D, são evoluções tecnológicas que irão requerer novas competências profissionais, comportamentais e sociais», admite o Administrador da MSC Portugal e profundo conhecedor da indústria do shipping.

Em jeito de conclusão, Carlos Vasconcelos antevê ainda que «todas essas inovações tecnológicas irão contribuir para um futuro melhor e aumentar significativamente as necessidades e as potencialidades da logística». Já sobre o factor humano, mostra-se convicto que sairá reforçado «significativamente o valor humano, elevando o patamar dos nossos colaboradores, mais focados nos clientes e na resolução das suas necessidade e dos seus problemas».

fonte

VISITE OS RECURSOS DA APLOP (ASSOCIAÇÃO DOS PORTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA), NA WEB