Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Zoom Madeira visa construir uma ferramenta para clarificar USO do mar

Vocação marítima é o melhor activo

A 8.ª edição do LEME, barómetro elaborado pela PwC, dá boa nota a algumas variáveis da economia do mar na Madeira. Mas também deixa desafios em vários subsectores.

No Zoom, denominado ‘Ilhas que Brilham’, o turismo ancorado em actividades marítimas, o registo internacional de navios que se notabiliza por manter um elevado ritmo de crescimento e o desenvolvimento da fileira alimentar do mar são apresentados como “pilares estruturais da economia do mar na Madeira”. O transporte marítimo de mercadorias é referido como “sector vital para a sustentabilidade económica” enquanto a vocação marítima da Madeira continua a ser um dos melhores activos da Região, embora deva ser apoiada e incentivada de modo a resultar num novo caminho de crescimento e de desenvolvimento sustentável.

Uma vez que o LEME Zoom Madeira se assume como um projecto de longo prazo, que funcionará como uma compilação de dados que permita acompanhar, ao longo do tempo, a evolução da economia do mar na Madeira e que, simultaneamente, possibilite realizar uma análise das tendências e das escolhas que estão a ser efectuadas pelos diversos agentes económicos, são partilhados alguns alertas. Por exemplo, no que concerne ao transporte marítimo de contentores e mercadorias, o estudo recomenda “conceber os portos marítimos como autênticas plataformas logísticas integradas em cadeias logísticas nacionais e internacionais, maximizando o interface entre autoestradas do mar, rodovia e aeroportos; melhorar as condições técnicas dos portos: profundidade, condições de operação nos portos, serviço ao cliente e comunicação; reduzir a fiscalidade e a burocracia associada às transacções portuárias; refundação de uma marinha mercante adequada ao potencial marítimo português; desenvolver todas as oportunidades de cabotagem entre diversos portos”.

Num outro subsector, o da animação, a PWC sugere a dinamização da náutica de recreio, através de desportos como o surf, windsurf, kitesurf, ski aquático, triatlo, charter de cruzeiro, mergulho, caça submarina, motonáutica, vela, remo e canoagem, entre outros.

No Registo Internacional de Navios da Madeira, entende a consultora que apesar da contínua subida, importa “capitalizar todos os benefícios que resultam da atracção de empresas, relacionadas com o transporte marítimo, gerada pelo registo internacional de navios, para desenvolver mais actividades relacionadas com a indústria dos transportes marítimos em Portugal; monitorar continuamente as tendências internacionais relacionadas com o registo de navios e com o transporte marítimo, de forma a estar permanentemente na linha da frente da prestação de serviços de registo de navios”.

Na área da pesca, os desafios passam por “acrescentar valor ao produto base primário (peixe e marisco) através da sua conservação, transformação e diversificação; reforçar as práticas de captura sustentáveis, certificando os processos e comunicando adequadamente ao consumidor final; substituição de importações por produção nacional para fazer face à procura existente no mercado português; investigação de tecnologias e processos que minimizem o custo associado à energia necessária à propulsão das embarcações de pesca, para fazer face à subida do preço do petróleo e/ou descidas do preço do pescado no mercado; reforço da marca dos produtos transformados; aproveitamento da potencialidade da aquacultura, entre outros aspectos.

fonte