Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Transporte marítimo global crescerá 60% até 2050

No seu mais recente relatório, intitulado ‘Maritime Forecast to 2050‘, a sociedade classificadora norueguesa DNV GL adiantou que o transporte marítimo deverá crescer até 60% nos próximos trinta anos. O documento explora o impacto da mudança de paradigma no sistema energético global, a evolução da procura no mercado dos porta-contentores e navios de transporte de gás, o desempenho da economia global, os índices de produção industrial e o crescimento do PIB.

Mudança do sistema energético global terá «significativas implicações» no shipping

O relatório começa por sublinhar a «grande transição» à qual o sistema energético global está ligado, concluindo que essa transição terá «significativas implicações» no transporte marítimo internacional. «A procura (medida em tonelagem por milhas) crescerá 60% até 2050, com o ritmo desse crescimento a ser mais intenso até ao ano 2030», sendo ainda de prever «diferenças notáveis entre os diversos segmentos de ‘shipping’», informa o relatório da DNV GL. A sociedade prevê que a procura «cresça 2,2% em termos anuais no período 2015-2030 e 0,6% a partir daí».

Como será expectável, a procura por bens energéticos como o carvão, o crude e os derivados petrolíferos cairá de forma gradual, e, em sentido contrário, será denotado um crescimento progressivo e sustentado da procura por gás natural (gás natural liquefeito e o gás de petróleo liquefeito) – elemento energético que, de acordo com a DNV GL, ainda será a segunda principal fonte de alimentação do shipping em 2050. O pico da procura do recurso petrolífero será, alega a DNV GL, atingido até 2030.

«Grandes e rápidas mudanças estão a ocorrer no modo como o mundo usa e produz a sua energia», comentou Remi Eriksen, CEO da DNV GL. «O nosso Energy Transition Outlook mostra que, em meados do século, o fornecimento de energia deverá estar equitativamente dividido entre energias fósseis e renováveis. Os avanços na eficiência energética precipitarão uma redução da procura energética a partir de 2030», afirmou, para de seguida concluir: «Estas tendências impactarão todos os agentes do sector marítimo».
DNV GL: «Onda da digitalização terá impacto profundo na indústria»

«No documento ‘Maritime Forecast‘ nós podemos ver as tendências de hoje transformarem-se nos paradigmas de amanhã», comentou Knut Ørbeck-Nilssen, da DNV GL. «O ‘shipping‘ continuará na sua senda pelo aumento de eficiência, redução de custos, melhorias de utilização, diminuição dos consumos de combustível, aumento do tamanho dos navios e aplicação de novas tecnologias», explicou. «A actual onda da digitalização terá também um impacto profundo na indústria – criando novos modelos de negócio», rematou.
Segmento dos porta-contentores crescerá 2,6% ao ano até 2030

O relatório avança ainda que as frotas de navios porta-contentores e de navios de transporte de gás, medidas em porte bruto (deadweight tonnage), crescerão até perto dos 150% até 2050; destaque ainda para o crescimento dos navios graneleiros, que crescerão cerca de 50% nas próximas três décadas. O segmento dos porta-contentores será aquele que maior crescimento sentirá: 2,6% ao ano, medido em tonelagem por milhas – um crescimento que será de 3,2% ao ano até 2030 (seguindo o intenso consumo), e de 2,1% após.

fonte