Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Ano Novo traz promessa de mais records nas exportações

No mercado "Portugal" há fruta e legumes, roupas e sapatos, máquinas, combustíveis ou automóveis. Clientes não lhe faltam. Só em outubro, as vendas para o estrangeiro aumentaram 11,8%, somando 5000 milhões de euros. Nos primeiros 10 meses de 2017 ultrapassaram os 45 mil milhões, mais 4,4 mil milhões (+10,8%) que no mesmo período de 2016. Se não houver surpresas, o ano irá fechar com exportações de bens na casa dos 55 mil milhões. Sem contar os serviços. Com o turismo somado passará dos 43% do PIB.

E a meta para os próximos anos está traçada: até 2025, as exportações nacionais terão de valer 50% do PIB. Governo e empresas estão em sintonia e acreditam que a missão será cumprida. E que 2018 vai ajudar às contas. "Confio que, se não existirem surpresas, as exportações, a par com o investimento, vão continuar a ser o motor que vai puxar pela economia", adianta ao DN/Dinheiro Vivo Paulo Nunes de Almeida, presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP).

E já sabe onde apostar todas as fichas. "Acho que o crescimento vai centrar-se nos setores da metalomecânica, têxtil e vestuário, calçado, agroalimentar e mobiliário. No fundo, são os setores em que Portugal tem demonstrado uma capacidade competitiva acrescida nos últimos anos. E também não podemos esquecer a parte dos serviços, que hoje já assume fatia muito importante no peso das exportações, com o turismo à cabeça."

Os últimos dados do INE confirmam os prognósticos. A metalurgia e metalomecânica está a bater recordes. Em outubro, o volume de exportações foi o terceiro maior de sempre, perto de 1500 milhões de euros. O setor terá terminado o ano com vendas para o estrangeiro superiores a 16 mil milhões. O vestuário segue a mesma tendência. Os empressários estimam que 2017 terá sido o melhor ano de sempre, com as exportações a ultrapassarem os 5,2 mil milhões de euros. Na cortiça, que já em 2016 tinha batido recordes, as vendas para o exterior terão ficado muito próximas dos mil milhões de euros.

Para o presidente da AEP, o céu só não é o limite porque este ainda não faz importações. "Acreditamos que, a médio prazo, a intensidade exportadora poderá mesmo atingir 50% do PIB. É um desafio grande mas também é um desígnio que mobiliza todos, desde as associações empresariais até às próprias empresas, que estão hoje muito vocacionadas para os mercados internacionais. E as perspetivas para a economia mundial levam-nos a acreditar que 2018 vai ser um bom ano", vaticina. Por cá as empresas que queiram dar o salto já terão ao dispor os anunciados 600 milhões da Linha Capitalizar Exportação.

fonte