Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

13 de Agosto, tempo de aniversário no Porto do Funchal

Este sábado, 13 de Agosto, cumprem-se 103 anos desde que foi criada a Junta Autónoma para as obras do Porto do Funchal.

Aquando das celebrações do centenário, a APRAM promoveu diversas iniciativas. Uma delas foi uma parceria com o Centro de Estudos de História do Atlântico que por sua vez, durante um ano, publicou várias temáticas relacionadas com o Porto do Funchal.

Recordamos aqui, embora parcialmente, um desses estudos realizado pela investigadora Graça Alves, PUBLICADO NO Anuário, n.º 5, 2013, e intitulado “Ao cair do texto, o porto (Visões literárias do Porto do Funchal sec. XVII-XX)”.

“A zona ribeirinha do Funchal começa, pois, a ser sentida como uma sala de visitas. Note-se que esta zona havia sido descurada, a avaliar por esta ob­servação:

O frontispício da cidade era emoldurado com uma praia inestética, onde se cultivavam abó­boras, pimpinelas e hortaliças, parecendo um lugar rústico e nunca arredores do cais da cida­de, onde diariamente desembarcavam os nos­sos visitantes.

O cais insuficiente para o movimento do porto foi mais tarde ampliado (n.r. O cais da Entrada da cidade foi aumentado com 80 metros e inau­gurada a obra, com grande satisfação para os funchalenses, em 28 de Maio de 1933, aniversá­rio da Revolução Nacional.)

                                                                                                                        (CALDEIRA, 1964: 7)

Horácio Bento de Gouveia acrescenta alguns pormenores na descrição deste cais: as escadas e o varão de ferro: A custo espreitou par ao patamar inferior da escada. (…) Frenética, esperou o primeiro gasolina de bordo do paquete(…) Debruçou-se do va­rão de ferro que resguarda a beira do cais (GOUVEIA, 1959: 157).

Das obras que analisámos, será o Conde do Fun­chal a dar-nos a notícia da inauguração oficial da obra, numa Reportagem de 244 páginas. Em tom jornalísti­co, faz a cronologia dos trabalhos, a lista das autori­dades presentes e as novas características do porto:

No dia seguinte, pela manhã, efectuou-se a inau­guração oficial da obra do porto do Funchal e da instalaçao para o fornecimento de combustível líquido à navegação. § Data de 22 de Março de 1756 a primeira ordem para estudo das obras e da exploração do porto do Funchal, emanada de D. José I, que em carta régia dessa data assim o determinou ao Governador e Capitão- gene­ral da Ilha da Madeira, Manuel de Saldanha de Albuquerque, nomeando, para assistir, riscar e delinear as obras, o engenheiro Francisco Tossi Colombina. As primeiras obras realizadas con­sistiram na ligação do ilhéu da Pontinha à terra e foram executadas entre os anos 1757 e 1762, há duzentos anos, portanto. § A cerimónia de entrega efectuou-se numa tribuna proposita­damente erguida no próprio cais, e logo após a chegada do Chefe de Estado, o Director Geral da Hidráulica, engenheiro Palma Carlos, leu a acta inaugural das obras do porto que resumi­damente consistiram em aumentar a área abri­gada de 13 hectares para 36 e de prolongar o cais acostável de 390 para 1000m.

(CONDE DO FUNCHAL, 1962: 199-200)

Por ele se sabe também que, no ato de inau­guração, usaram da palavra, o Presidente dos Portos da Madeira, o deputado Dr. Agostinho Cardoso e o Engenheiro Arantes e Oliveira, então Ministro das Obras Públicas. Do seu discurso, o Conde do Funchal destacou o seguinte excerto:

(...) fica o porto do Funchal a dipor de quase um quilómetro de cais acostável, na sua maior extensão, com profundidades que permitem a atracação de grandes navios. O importante au­mento da superfície dos terraplenos e da área abrigada darão a este porto condições de fun­cionamento satisfatório no futuro imediato(...) §Esta obra de ampliação do porto do Funchal ficará registada no número das mais gratas que têm sido confiadas ao Ministério das Obras Pú­blicas.

(CONDE DO FUNCHAL, 1962: 203)

A República tinha, finalmente, entendido a ne­cessidade desta obra, a avaliar pelas palavras do Pre­sidente da República, no encerramento da sessão: Esta ilha viveu muitos anos do turismo. E as como­didades do turismo moderno não dispensam um cais acostável nos portos, com abastecimentos rápidos de combustíveis (CONDE DO FUNCHAL, 1962: 203).

Entre crónicas, estórias e reflexões, Horácio Bento de Gouveia, regista um momento considerado muito importante na vida da ilha:

Amanhã se concretizará o acabamento do cais, o qual durante longos anos foi um desvairado sonho do madeirense. Quem haveria que não desejasse ter a sensação de demorar nele os olhos, embevecido!

(GOUVEIA, 1966: 154-155)