Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Porto de Sines palco de exercício para testar a resposta a um caso suspeito de ébola

O Porto de Sines foi palco de um exercício com o objetivo de testar a capacidade de deteção, validação e encaminhamento de um caso suspeito de ébola, bem como de todos os procedimentos a implementar numa situação de diagnóstico confirmado.

Organizado pela Unidade de Saúde Pública da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (USP-ULSLA), o exercício denominado “Niger 2015” consistiu na simulação da chegada de um navio oriundo do porto de Conakry, do país Guiné Conacry, ao Porto de Sines, onde se encontrava, a bordo, um tripulante com sintomas sugestivos de ébola.

Com base neste cenário, a USP-ULSLA e o Departamento de Saúde Pública da Administração Regional de Saúde do Alentejo, juntamente com a Autoridade Marítima Local, Autoridade de Fronteira Local (SEF), Autoridade Portuária (APS), Proteção Civil, Direção Geral Saúde (DGS), INEM e GNR, testaram as comunicações entre si, bem como processo de validação do caso junto da DGS, e a retirada do doente, enquanto “caso provável”, do navio pelo INEM.