Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

NA SUA PRIMEIRA VIAGEM AO «PAÍS REAL» ENQUANTO PRESIDENTE DA EP REFER

António Ramalho considera o Porto de Aveiro como «uma das plataformas multimodais mais evidentes que temos em Portugal»

O administrador da REFER e da Estradas de Portugal considera que a sua primeira viagem ao “país real” tem na passagem pelo Porto de Aveiro uma marca forte por se tratar de um espaço que articula transporte marítimo, ferroviário e rodoviário. António Ramalho assumiu que se tratou de uma opção pensada.

“São as prioridades estratégicas que se apresentam para o país com foco nas mercadorias, na exportação e na eficiência do transporte. O Porto de Aveiro enquadra-se numa política Europeia clara, com o corredor Atlântico, enquadra-se na preocupação com o desempenho das mercadorias quer por mar quer por terra. Queremos incrementar a capacidade de exportar por terra. E é uma das plataformas multimodais mais evidentes que temos em Portugal onde o marítimo, com o rodoviário e com o ferroviário nos permite uma acessibilidade que queremos o mais inteligente possível no futuro”.

Questionado sobre a iniciativa de eletrificar a linha poucos anos depois da inauguração quando o projeto inicial não incluiu esse serviço, António Ramalho evitou tecer comentários sobre a obra aberta à exploração em Março de 2010. Cinco anos depois o ramal sofre obras de modernização.

“Para mim os grandes projetos são os futuros. Não é uma preocupação avaliar se deveria ter sido feito assim ou não. Agora é outra obra, um investimento adicional. Há um conceito progressivo de eletrificação na rede. Há uns anos não era assim. A pergunta pode ser interessante do ponto de vista de história do investimento publico mas não é neste momento. Estamos é concentrados em terminar a obra em tempo útil”.

Com o Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas em desenvolvimento, António Ramalho colocou a eletrificação da via entre o porto de Aveiro e Cacia como fundamental para garantir melhores condições aos clientes. E admitiu que a ligação ferroviária Aveiro-Vilar Formoso é para concretizar no âmbito do quadro de fundos comunitários até 2020.

“Assegurar que os grandes centros ficam ligados entre si. Temos que ser criativos na forma como abordamos o assunto e onde o retorno obtido nos leve a concluir qual o melhor modelo. Estamos a fazer estudos. Há zonas da Linha da Beira Alta que serão aproveitáveis mas outras que terão de ser alteradas mas o conceito será sempre Aveiro-Vilar Formoso. Quanto a prazos há um trabalho de longo prazo que esperamos realizar até 2020”.

José Luís Cacho sublinhou os níveis de crescimento e o empenhamento na criação de condições para manter essa aposta. Lembra que o Porto de Aveiro tem condições únicas. “Estamos perante uma das melhores plataformas intermodais do país onde operam todos os modos de transportes. É uma excelente plataforma”.

A ligação ferroviária a Cacia serviu em 2014, um total de 2550 comboios com 777 mil toneladas de carga.

fonte