Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Porto de Sines como palco de entrada de gás americano mais barato

Artur Trindade, secretário de Estado da Energia, revelou ao Expresso que o mercado ibérico vai ter acesso a gás norte-americano a um preço bastante inferior ao do gás natural africano ou russo, sendo que será o o porto de Sines a receber o novo gás.

Portugal "está em condições de poder receber gás norte-americano através do terminal portuário de Sines", revelou ao Expresso Artur Trindade, secretário de Estado da Energia, adiantando que se trata de gás “muito mais barato que o gás natural de origem africana ou russa”.

Sines será o porto de entrada do novo gás, o qual, segundo o secretário de Estado, servirá também para reduzir a dependência ibérica e europeia face aos produtores tradicionais. Saliente-se que, como explica o mesmo jornal, são empresas energéticas russas que controlam boa parte dos fornecedores de gás que abastecem a Europa.

Numa altura em que as tensões entre a União Europeia – e os próprios Estados Unidos – e a Rússia ainda se fazem sentir, fruto do conflito que decorre na Ucrânia, este fornecimento norte-americano será uma forma de diversificar fornecedores.

Ao contrário do que se verifica no mercado do crude, que se encontra globalizado, o mercado do gás apresenta diferenças substanciais de preços, em função da geografia. Os países asiáticos, por exemplo, pagam o gás a um preço seis vezes mais elevado do que se paga nos Estados Unidos, onde o baixo custo do gás de xisto tem vindo a pressionar a queda dos preços.

fonte