Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Operadores portuários querem uma clarificação do direito à greve

Os operadores portuários pediram aos deputados uma clarificação do exercício do direito à greve, argumentando que querem evitar, no futuro, a repetição daquilo que consideraram ser greves “ilegítimas” dos estivadores.

Nas cartas de quatro páginas enviadas, no final de fevereiro, aos grupos parlamentares do PSD, PS, CDS, PCP, Bloco de Esquerda e Os Verdes, a AOPL – Associação dos Operadores do Porto de Lisboa e a AOP – Associação Marítima e Portuária referem os conflitos laborais que as têm oposto ao Sindicato dos Estivadores e o acordo conseguido a 14 de fevereiro sobre vários assuntos entre eles o que permitiu a reintegração de 47 trabalhadores e o avançar das negociações sobre o novo contrato coletivo de trabalho.

Apesar do clima agora mais amenizado, nesta carta as associações adiantam que os dois anos de conflitos com os estivadores e as paralisações representaram “elevadíssimos prejuízos para os agentes económicos, para a economia local e também para a economia nacional”, pelo que pedem aos deputados que “desenvolvam um processo legislativo que esclareça cabalmente o exercício do direito à greve, de modo a evitarem-se no futuro situações como a que ocorreu no Porto de Lisboa”.

Os operadores querem que haja “fundamentos claros e estáveis para as decisões dos tribunais em matéria de exercício concreto da greve”, pelo que consideram ser necessárias clarificações nas leis e regulamentos do direito à greve.

As cartas terminam com a AOPL – Associação dos Operadores do Porto de Lisboa e a AOP – Associação Marítima e Portuária a solicitarem audiências aos grupos parlamentares sobre o assunto.

fonte