Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

Grupo Rangel admite que «greves nos portos tiveram impacto negativo»

Em entrevista ao Dinheiro Vivo, Nuno Rangel (na foto), vice-presidente do grupo Rangel, admitiu que as greves em alguns portos nacionais, com especial incidência em Lisboa, tiveram "algum impacto" na atividade do grupo.

Sobre 2013, Nuno Rangel faz um balanço "muito positivo", até porque foi um ano onde o grupo reforçou processo de internacionalização "com a abertura no Brasil, dando um passo consolidado na nossa estratégia, que é estarmos posicionados no triângulo logístico de língua oficial portuguesa, Portugal, África, Brasil".

Sobre as dificuldades sentidas no ano passado, destacou a "economia ainda algo frágil", embora essa condição leve "algumas empresas a substituir os seus custos fixos por custos variáveis, através do outsourcing logístico", algo que considera "positivo" para o negócio da Rangel.

"Em termos de transporte internacional, as greves constantes dos portos foram um constrangimento com forte impacto negativo. E obviamente que continuamos a ser afetados por custos altos do nosso sector, ou seja, os preços dos combustíveis, as portagens e a eletricidade, que são questões difíceis de ser ultrapassadas", concluiu.

fonte