Portos de Portugal
Viagem ao Centro do Mundo

Porto de Viana do Castelo,
Alberga o maior estaleiro do País

Porto de Leixões
Referência na Região Norte do País

Porto de Aveiro
Uma solução Intermodal competitiva

Porto da Figueira da Foz
Promotor da Economia da Região Centro

Porto de Lisboa
Atlantic Meeting Point

Porto de Setúbal
Solução Ibérica na Região de Lisboa

Porto de Sines
Porta do Atlântico

Portos da Madeira
O Paraíso dos Cruzeiros

Portos dos Açores
A sua plataforma no Atlântico

Quem Somos

A APP – Associação dos Portos de Portugal é uma Associação sem fins lucrativos constituída em 1991, com o objectivo de ser o fórum de debate e troca de informações de matérias de interesse comum para os portos e para o transporte marítimo.

Pretende-se que a APP contribua para o desenvolvimento e modernização do Sistema Portuário Nacional, assumindo uma função que esteve subjacente à sua criação: constituir-se como um espaço privilegiado de reflexão e de decisão.



Newsletter

Clique aqui para se registar na newsletter.

Clique aqui para sair da newsletter.

Janela Única Logística



Notícias

AUDITORIA DO TRIBUNAL DE CONTAS

Houve poupanças na gestão do Porto da Figueira da Foz mas receitas estão ameaçadas

A auditoria do Tribunal de Contas à administração do porto da Figueira, divulgada no início da semana, conclui que a gestão do porto foi "controlada" e poupada, mas a administração afirma que a sustentabilidade futura pode estar comprometida.

O relatório, que incide sobre os exercícios económicos entre 2009 e 2012, afirma que "não foram detectados desperdícios evidentes de dinheiros públicos" no porto regional, tendo havido uma "optimização dos equipamentos e das infra-estruturas", apesar de não ter cumprido as metas de redução de custos em 2011.

José Luís Cacho, presidente da Administração do Porto da Figueira da Foz (APFF), afirmou à agência Lusa que "é reconfortável" receber o "reconhecimento do trabalho feito", considerando que o presente da empresa "está bem", mas que a futura sustentabilidade da empresa pode "estar comprometida".

"A quebra de receitas da administração do porto, devido à redução das taxas portuárias, é um facto preocupante", considerou, referindo ainda que tal situação é agravada por um "aumento futuro da despesa com as dragagens (profundar o fundo de águas navegáveis)".

O presidente da APFF salientou que será "importante corrigir esse aspecto para o futuro", para se garantir a sustentabilidade futura da empresa pública.

A APFF, segundo o relatório do Tribunal de Contas, é a administração mais apoiada pelo Orçamento do Estado, com o Estado a financiar 37% de todos os investimentos realizados.

Da auditoria realizada, são apontadas algumas falhas na gestão do porto, referindo que estavam por arrecadar 399 mil euros correspondentes à "facturação de alguns licenciamentos de ocupação e equipamentos da área dominial da APFF".

No porto da Figueira da Foz, há área dominial disponível que não está a ser "utilizada para a actividade portuária", podendo ser rentabilizada com licenciamentos ou concessões, sendo que o terminal de recepção de produtos betuminosos também se encontra "subutilizado", referiu o documento.

A administração afirmou ao Tribunal de Contas, segundo o relatório, que já foram tomadas diligências para melhor rentabilizar quer a área dominial, quer o terminal de recepção de produtos betuminosos.

O documento dá também conta que, até 2011, a APFF "não era auto-sustentável", contudo, a manter-se o comportamento dos resultados alcançados em 2012, a administração do porto "não precisará de financiamento do Estado à exploração", mas precisará de um "significativo aumento do volume de negócios" para ter "capacidade financeira para autofinanciar investimentos".

Os resultados operacionais da empresa variaram entre valores negativos, em 2009 (211 euros) e 2011 (297 mil euros), e valores positivos, em 2010 (628 mil euros) e 2012 (760 mil euros).

Em 2012, o porto da Figueira movimentou "quase 1,8 milhões de toneladas de mercadorias", sendo 50% desse movimento a dever-se à "pasta química de madeira (pasta de papel) e à madeira".

A APFF é detida a 100% pela Administração do Porto de Aveiro, tendo 37 trabalhadores e um volume de negócios que "ascendeu a 3,5 milhões de euros, na média do quadriénio 2009-2012".

fonte

VISITE OS RECURSOS DO PORTO DA FIGUEIRA DA FOZ NA WEB

~ ~ ~ ~